Estudo OlympiA: potencial impacto no cancro da mama HER2-Negativo
07/06/2021 12:39:59
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Estudo OlympiA: potencial impacto no cancro da mama HER2-Negativo

A adição de 1 ano do inibidor da PARP olaparib após a conclusão de quimioterapia standard neoadjuvante ou adjuvante, cirurgia e qualquer radioterapia necessária, melhorou significativamente a sobrevivência livre de doenças invasivas (IDFS) e de doenças distantes (DDFS) em doentes com mutações BRCA1/2 na linha germinativa e cancro da mama de alto risco em fase inicial e negativo para o recetor do fator de crescimento epidérmico humano 2 (HER2), de acordo com nova investigação (Tutt et al., ASCO 2021; Abstract LBA1) apresentada na sessão Plenária da ASCO, no dia 6 de junho.

O estudo de fase 3 OlympiA, randomizado e com dupla ocultação, incluiu 1.836 doentes com cancro da mama de alto risco em fase inicial e negativo para HER2, com mutações BRCA1 ou BRCA2 na linha germinativa, e incluindo cancro da mama triplo negativo e positivo para recetor hormonal.
Todos os participantes tinham previamente recebido quimioterapia standard neoadjuvante ou adjuvante, cirurgia e radioterapia, se necessário, para cancro da mama em fase inicial. Os doentes foram selecionados com base em critérios patológicos que eram diferentes no cancro da mama triplo negativo e no cancro da mama positivo para recetor hormonal, mas foram concebidos para excluir doentes com menor risco de recorrência de doenças invasivas. Os doentes foram randomizados para receberem olaparib ou placebo durante 1 ano.

Os doentes que receberam tratamento standard mais placebo tiveram uma IDFS estimada de 3 anos de 77,1%. Com a administração de 1 ano de olaparib, a IDFS estimada de 3 anos foi melhorada para 85,9%. A DDFS estimada de 3 anos também foi melhorada de 80,4% com placebo para 87,5% com olaparib.

Embora a sobrevivência global (OS) estimada a 3 anos tivesse sido maior com olaparib, a diferença não foi estatisticamente significativa à altura desta análise interina com 2,5 anos de seguimento mediano.

Os eventos adversos foram consistentes com os anteriormente relatados para o tratamento com olaparib. Os eventos adversos graves não ocorreram mais frequentemente com olaparib do que com placebo.

"Os resultados do estudo OlympiA, o primeiro a relatar os efeitos de um inibidor da PARP como uma ‘terapia adjuvante’ nos endpoints de sobrevivência, sugerem uma possível adição aos cuidados standard para doentes com cancro da mama em fase inicial associado a mutações germinativas BRCA1/2 e que têm níveis de risco de recorrência que requerem quimioterapia neoadjuvante ou adjuvante", disse o Prof. Doutor Andrew Tutt, primeiro autor do estudo e chefe da Divisão de Investigação em Cancro da Mama e diretor do Breast Cancer Now Toby Robins Research Centre no Institute of Cancer Research (Londres) e da Breast Cancer Now Research Unit no Guy's Hospital King's College London.

"As conclusões do OlympiA sublinham a necessidade de testes genéticos para mutações BRCA em doentes diagnosticados com cancro da mama de alto risco em fase inicial. Estes resultados podem ter um importante impacto nas decisões de tratamento para esta população de doentes, incluindo possivelmente a utilização de um inibidor da PARP num contexto adjuvante", disse o Dr. Lori J. Pierce, presidente da ASCO.

Pode consultar todas as novidades do evento ASCO 2021 Anual Meeting, através da plataforma ASCO'21 by News Farma, aqui.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019