Cancro da bexiga: IPO Lisboa realiza cirurgia inovadora
30/03/2021 14:23:33
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Cancro da bexiga: IPO Lisboa realiza cirurgia inovadora

Médicos do Serviço de Urologia do IPO Lisboa efetuaram, pela primeira vez, uma cistoprostatectomia radical – remoção da bexiga, próstata e gânglios pélvicos – por via laparoscópica num doente com tumor da bexiga.

Uma cistoprostatectomia radical (remoção da bexiga, da próstata e dos gânglios pélvicos) por via laparoscópica num doente com tumor da bexiga envolveu, pela primeira vez, uma equipa do Serviço de Urologia do Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil (IPO Lisboa).

A cirurgia decorreu no dia 19 de março, num homem de 65 anos com tumor da bexiga localizado e não tratável por via endoscópica (através da uretra), a abordagem convencional neste tipo de tumores.

“Esta cirurgia implica a remoção da bexiga e a construção de um canal, utilizando ansas de intestino, que fica ligado à pele através de um estoma, para eliminação da urina (urostomia). A visualização em alta definição, com torres de imagem com grandes ecrãs 3D, permite uma cirurgia de maior precisão e com a sensação de imersão no interior do doente. A abordagem laparoscópica possibilita que toda a equipa acompanhe o cirurgião nos passos da cirurgia, o que não é possível na cirurgia aberta”, explica o Prof. Doutor Rodrigo Ramos, médico urologista que integrou a equipa de três cirurgiões, dois anestesistas, quatro enfermeiros e dois assistentes operacionais.

O procedimento é realizado através de quatro pequenas incisões (portas) localizadas na proximidade do umbigo, que permitem o acesso de uma câmara de 3D e dos instrumentos cirúrgicos. Muito menos agressiva do que a cirurgia convencional, a excisão da bexiga por via laparoscópica é uma técnica ainda realizada em poucos centros e que só pode ser executada por equipas médicas muito treinadas.

O mesmo especialista realça que “este passo só foi possível graças à enorme experiência que os urologistas e anestesistas do IPO Lisboa adquiriram com a realização de mais de cem prostatectomias radicais laparoscópicas, uma técnica cirúrgica que se faz por rotina nos tumores da próstata com indicação cirúrgica”.

As vantagens da abordagem laparoscópica são várias: “É menos invasiva do que a cirurgia convencional, tem menos complicações no pós-operatório e permite uma recuperação mais rápida dos doentes, com internamentos mais curtos. O tempo operatório é um pouco mais demorado, mas em serviços de internamento com taxas de ocupação superiores a 90%, como sucede no IPO, esta abordagem permite a otimização das camas e dos recursos disponíveis”, adianta o Prof. Doutor Rodrigo Ramos.

Segundo o médico, depois de realizada a primeira cistoprostatectomia radical por via laparoscópica, “o Serviço de Urologia do IPO pretende disponibilizar esta técnica a um maior número de doentes, de forma rotineira, como se faz na próstata e no rim”.

Por ano, o IPO Lisboa realiza cerca 15 cistoprostatectomias radicais, mas entre janeiro e março de 2021 já foram realizadas dez, um aumento que o urologista ainda não consegue explicar, mas que poderá ter a ver com o facto de, devido à pandemia COVID-19, muitos doentes estarem a ser referenciados ao IPO com diagnósticos mais tardios, numa fase mais avançada da doença.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019