Aparelho auditivo inovador recebe prémio internacional
01/03/2021 15:59:40
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Aparelho auditivo inovador recebe prémio internacional

O aparelho auditivo Widex Moment foi distinguido com o prémio internacional “Tech for Change 2021”. O dispositivo da dinamarquesa Widex utiliza inteligência artificial (IA) para se adaptar em tempo real ao ambiente do seu utilizador.

O prémio “Techfor Change 2021”, atribuído pelo Digital Trends Media Group, distinguiu o Widex Moment por ser o primeiro aparelho auditivo digital a incorporar um processador duplo IA para que se possa adaptar em tempo real aos diferentes desafios do utilizador, conforme o ambiente sonoro em que se encontra. Esta distinção é atribuída anualmente a inovações tecnológicas que tenham impacto direto no bem-estar das pessoas e contribuam para tornar o mundo melhor.

“A Widex foi pioneira ao utilizar IA, em tempo real, para criar uma experiência auditiva mais personalizada”, salienta o diretor geral da Widex, Dr. Rui Nunes, salientando que este avanço tecnológico “facilita a adaptação e aceitação dos dispositivos de ajuda, no processo de reabilitação auditiva por parte dos utilizadores”.

Também a tecnologia Zero Delay é já tida como referência na indústria por reduzir o atraso no processamento do som padrão de sete-dez milissegundos para apenas 0,5 milissegundos, oferecendo aos utilizadores a experiência auditiva mais próxima de uma audição natural.

A audiologista Ana Murta sublinha que as diferenças se podem sentir “segundos após a programação, porque há uma quase imediata sensação de voz mais natural, suave e nítida”. A especialista acrescenta ainda que “permite ao cliente que sempre usou aparelhos auditivos experimentar sons que, muitas vezes, nem nunca ouviu; e isto só é possível porque o Widex Moment não se preocupa apenas com os sons da fala, mas também com os sons envolventes do ambiente em que estamos inseridos”.

“É uma porta aberta para um novo mundo de sons, como, por exemplo, o escutar das folhas nas árvores ou o clique do rato do computador: ruídos aparentemente insignificantes do dia a dia, mas que complementam o ambiente que nos rodeia”, garante.

Manuel Cadeias é um dos mais de dois mil portugueses que já adotou o Widex Moment desde abril de 2020. Com 62 anos, explica que o que mais o impressionou foi “o desaparecimento do ruído”. “Agora, não tenho problemas em ouvir as chamadas telefónicas o que era praticamente impossível com os aparelhos antigos. Com os Moment também tenho boas experiências ao conseguir distinguir os sons, como, por exemplo, ouvir as gotas a cair da máquina do café em casa”, sustenta.

Mas não são apenas os mais velhos que notam diferença na qualidade de vida: David Vigário tem 24 anos e destaca a versatilidade do Widex Moment, com “sistemas de audição diferentes para cada lugar”. Revela que, ao chegar ao trabalho "o aparelho aciona automaticamente o programa que criei e, realmente, facilita tudo”.

Para a audiologista Miriam Pinheiro, a entrada do aparelho auditivo no mercado português em pleno contexto pandémico não colocou quaisquer entraves. “Na altura, tínhamos as lojas fechadas e todas as nossas consultas estavam a ser feitas à distância”, recorda. “Ainda assim, a adaptação foi um sucesso, porque é, de facto, um modelo prático e fácil de manusear”. O cliente “sentiu ainda maior benefício quando passou do teletrabalho para o presencial, onde se confrontou com ambientes de escuta complexos e o uso de máscaras que dificultam o apoio visual essencial para pessoas com défice auditivo”, conclui.

O Dia Mundial da Audição, que se celebra a 3 de março, serve muitas vezes de pretexto para a discussão pública sobre a saúde auditiva das populações. De acordo com os profissionais de saúde auditiva, o mais importante é sensibilizar as pessoas para um diagnóstico e intervenção mais precoces, de forma a garantir uma boa qualidade de vida, sem perder acesso ao mundo dos sons.

[1] Fonte: https://medicalresearch.com/mental-health-research/depression/depression_and_hearing_loss_in_adults/4071/

[2] Fonte: http://www.hearingreview.com/2015/05/researchers-discover-brain-reorganizes-hearing-loss/#sthash.2zGh2gxX.LkTT7kaU.dpuf

[3] Fonte: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0140673617313636?via=ihub


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019