Estudo com peixe-zebra revela relações entre o sistema imunitário e o cancro
24/02/2021 15:28:33
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Estudo com peixe-zebra revela relações entre o sistema imunitário e o cancro

A investigadora Prof.ª Doutora Rita Fior, da Fundação Champalimaud, usou o peixe-zebra para estudar o cancro em humanos. Através desta investigação, a equipa chega a um novo insight sobre como as relações imuno-oncológicas podem promover ou suprimir o crescimento tumoral. Os resultados deste estudo podem ainda ajudar a desenvolver um ensaio para selecionar doentes para imunoterapia e novas terapias contra o cancro.

O princípio básico da abordagem da Prof.ª Doutora Rita Fior baseia-se no transplante de células cancerígenas humanas em dezenas de larvas de peixe-zebra. Os peixes funcionam como "tubos de ensaio vivos" onde vários tratamentos, como diferentes drogas quimioterapêuticas, podem ser testados para revelar qual o melhor tratamento. Este ensaio gera uma resposta em apenas quatro dias.

“Apesar da maioria dos tumores humanos implantarem com sucesso no peixe, alguns simplesmente desapareciam num dia ou dois”, recorda. “No entanto, quando estes tumores eram tratados com quimioterapia, passaram a implantar muito mais e já não desapareciam.”

Esta observação levou à formulação de uma nova hipótese de trabalho. “A quimioterapia suprime o sistema imunitário”, explica a Prof.ª Doutora Rita Fior. "Se o tumor é rejeitado em condições normais, mas prolifera em animais imunossuprimidos, isso poderá indicar que o sistema imunológico do peixe está ativamente a destruir as células tumorais. E, por outro lado, os tumores que implantam bem, são tumores que são capazes de suprimir o sistema imunitário do peixe."

Esta descorta levou a Prof.ª Doutora Rita Fior e a Dr.ª Vanda Póvoa, aluna de doutoramento do laboratório, a iniciar um novo projeto de investigação. As principais conclusões, publicadas hoje na revista Nature Communications, permitem-nos compreender melhor como as relações imuno-oncológicas podem levar à resistência à imunoterapia e ao crescimento do tumor. A longo prazo, estes resultados podem contribuir para o desenvolvimento de novos tratamentos e diagnósticos.

Leia mais sobre o estudo na My Oncologia.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019