OMS publica resolução para que países abordem a diabetes como problema de saúde pública
23/02/2021 15:05:52
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
OMS publica resolução para que países abordem a diabetes como problema de saúde pública

Como resolução saída da 3.ª Reunião de Alto Nível sobre Doenças Não Transmissíveis, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda a todos os países que adotem medidas para encarar a diabetes como problema de saúde pública, reforçando que as pessoas com diabetes são das que mais sofrem com a pandemia de COVID-19.

Segundo dados da OMS, em 2014, mais de 422 milhões de pessoas viviam com diabetes, o que equivale a 6% da população mundial. A OMS estima que, em 2030, este número suba para 570 milhões e, em 2045, para 700 milhões. Em 2019, a diabetes estava entre as 10 principais causas de morte identificadas pela OMS e a probabilidade de morrer por causa da diabetes, na faixa etária entre os 30 e os 70 anos, aumentou 5% entre 2000 e 2016. O relatório “Diabetes. Factos e Números de 2020” aponta mesmo para uma prevalência a atingir os 30% nas pessoas com mais de 60 anos, ou seja, na população mais afetada pela COVID-19.

O Dr. José Manuel Boavida, presidente da Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal (APDP), reforça a preocupação da OMS e sublinhando que “em Portugal, a pandemia de COVID-19 veio dificultar ainda mais o investimento necessário na prevenção, no diagnóstico precoce, no acompanhamento e na integração de cuidados na diabetes. Pela dificuldade no acesso aos serviços de saúde, pela interrupção dos tratamentos, pela deslocação dos profissionais do SNS para atendimento exclusivo a casos COVID-19, entre tantos exemplos que poderiam ter sido minorados por equipas dedicadas a uma coordenação dos cuidados na diabetes a nível regional. Já em outubro a APDP se ofereceu para integrar uma equipa que avaliasse necessidades e alternativas, coordenando a intervenção em colaboração com os ACES e o Hospital respetivo. É necessário não deixar para trás o acompanhamento das pessoas com diabetes e com outras doenças crónicas. Podemos voltar a ver situações que já não víamos há anos.”

Para a OMS, no ano em que se assinala o centenário da descoberta da insulina e tendo em conta os ganhos significativos para a saúde proporcionados pela pesquisa e pela inovação, os estados membros devem intensificar os seus esforços na prevenção e no controlo da diabetes, para conseguirem alcançar as metas previstas no plano de ação global para as doenças não transmissíveis 2013-2020.

“O desinvestimento na diabetes precisa de ser revertido urgentemente para reduzir o sofrimento de milhões de pessoas que vivem com esta doença, e esse é o principal apelo feito pela OMS, secundado energicamente pela APDP”, conclui o Dr. José Manuel Boavida.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019