COVID-19: GSK e CureVac unem-se no desenvolvimento da próxima geração de vacinas mRNA
05/02/2021 15:17:41
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
COVID-19: GSK e CureVac unem-se no desenvolvimento da próxima geração de vacinas mRNA

A GSK - GlaxoSmithKline e a CureVac anunciaram uma nova colaboração, com base em parcerias prévias, para investir 150 milhões de euros no desenvolvimento conjunto de vacinas de mRNA de próxima geração para a COVID-19, com potencial para abordar múltiplas variantes emergentes numa única vacina. A GSK também apoiará o fabrico de até 100 milhões de doses da vacina candidata da primeira geração do CureVac, CVnCoV, em 2021.

Através deste novo acordo exclusivo de co-desenvolvimento, a GSK e a CureVac aliam recursos e experiência para investigar, desenvolver e produzir uma série de novas vacinas baseadas em mRNA, incluindo abordagens multivalentes e monovalentes. O objetivo deste trabalho é conferir uma proteção mais ampla contra as atuais variantes do SARS-CoV-2 e permitir uma resposta rápida a novas variantes potencialmente emergentes no futuro. O programa de desenvolvimento terá início imediato, com vista à introdução da vacina em 2022, sujeito à aprovação regulamentar.

O aumento de mutações emergentes com potencial para reduzir a eficácia das vacinas COVID-19 de primeira geração requer a aceleração dos esforços para desenvolver vacinas que se mantenham um passo à frente da pandemia. Estas vacinas para a COVID-19 de próxima geração poderão ser usadas para proteger pessoas que ainda não foram inoculadas com vacinas de primeira geração, ou como reforço no caso da imunidade contra a COVID-19 adquirida com uma vacinação inicial diminuir com o tempo. Além disso, a colaboração avaliará o desenvolvimento de novas vacinas de mRNA para proteger contra vários vírus respiratórios, incluindo COVID-19.

Esta colaboração tem como ponto de partida a vacina contra a COVID-19 de primeira geração da CureVac, a CVnCoV, que está atualmente a ser testada em ensaios clínicos de fase 2b / 3 e o conhecimento da CureVac na otimização do mRNA para desencadear uma forte resposta imune, na capacidade de fabrico e por proporcionar estabilidade em condições padrão de armazenamento a frio de 2-8 ° C para vacinas. A plataforma da CureVac está adaptada exclusivamente para conceber vacinas multivalentes com uma resposta imunológica equilibrada e uma baixa dose de mRNA.

“Acreditamos que as vacinas da próxima geração serão cruciais na luta contínua contra a COVID-19. Esta nova colaboração baseia-se no relacionamento existente com a CureVac e significa que, juntos, combinaremos a nossa experiência científica em mRNA e desenvolvimento de vacinas para avançar e acelerar o desenvolvimento de novas vacinas candidatas para a COVID-19. Ao mesmo tempo, também apoiaremos a produção das vacinas de primeira geração da CureVac com o fabrico de 100 milhões de doses em 2021”, sublinha a Dr.ª Emma Walmsley, CEO da GSK.

Nas palavas do Prof. Doutor Franz-Werner Haas, CEO da CureVac: “Estamos muito satisfeitos em poder fortalecer a relação já estabelecida com a GSK com um novo acordo para o desenvolvimento conjunto de vacinas de próxima geração baseadas em mRNA, além da nossa atual candidata, a CVnCoV. Com o apoio e experiência comprovada da GSK em vacinas, ficamos preparados para enfrentar os desafios de saúde futuros com novas vacinas”.

Como parte da nova colaboração, a GSK também apoiará o fabrico da vacina candidata COVID-19 de primeira geração da CureVac, CVnCoV, que está atualmente a ser testada em ensaios clínicos de fase 2b / 3. Através da sua rede de produção estabelecida na Bélgica, a GSK propõe-se apoiar o fabrico de até 100 milhões de doses da vacina em 2021.

Sob os termos do novo acordo de colaboração, a GSK será a detentora da autorização de comercialização da vacina de próxima geração contra a COVID-19, exceto na Suíça, e terá direitos exclusivos para desenvolver, fabricar e comercializar a vacina em todos os países, com exceção da Alemanha, Áustria e Suíça. A GSK fará um pagamento inicial de 75 milhões de euros e um pagamento adicional de 75 milhões de euros, mediante o cumprimento de metas específicas.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019