CE aprova avelumab para tratamento de manutenção do carcinoma urotelial
03/02/2021 15:51:00
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
CE aprova avelumab para tratamento de manutenção do carcinoma urotelial

A Merck e a Pfizer Inc. anunciaram que a Comissão Europeia (CE) aprovou avelumab em monoterapia para o tratamento de manutenção em primeira linha de doentes adultos com carcinoma urotelial (CU) localmente avançado ou metastático, que se encontram livres de progressão após quimioterapia à base de platina.

“Avelumab é a única imunoterapia a demonstrar, num estudo de fase III, um prolongamento significativo da sobrevivência global no tratamento de manutenção em primeira linha do carciona urotelial avançado ou metastático. Esta aprovação da Comissão Europeia permite-nos agora disponibilizar um potencial novo tratamento standard de manutenção em primeira linha que poderá ajudar a prolongar a vida dos doentes”, afirmou o Dr. Thomas Powles, diretor do Barts Cancer Centre, Londres, Reino Unido.

No ensaio clínico JAVELIN Bladder 100, o tratamento de manutenção em primeira linha com avelumab associado a melhores cuidados de suporte (BSC) demonstrou proporcionar um aumento significativo da mediana de sobrevivência global (OS), vs. BSC isoladamente, na análise interina pré-especificada (data de cut-off: 21 de outubro de 2019): 21,4 meses (IC 95%: 18,9-26,1) vs. 14,3 meses (IC 95%: 12,9-17,8) na população co-primária correspondente à totalidade dos doentes aleatorizados (HR: 0,69; IC 95%: 0,56-0,86). Na população co-primária de doentes com tumores PD-L1+ (n=358), a OS foi também significativamente superior com avelumab em associação com BSC (mediana não alcançada; IC 95%: 20,3 - valor não alcançado) vs. BSC isoladamente (17,1 meses; IC 95%: 13,5-23,7; HR: 0,56; IC 95%: 0,40-0,79). Com base nestes dados, o regime de manutenção com avelumab em primeira linha foi incluído nas guidelines da ESMO, recentemente atualizadas, para o cancro da bexiga.

Resultados atualizados de OS, com data de cut-off a 19 de janeiro de 2020, demonstraram ainda que avelumab prolongou significativamente a OS na totalidade dos doentes aleatorizados versus BSC isoladamente (HR: 0,70; IC 95%: 0,56-0,86; P bilateral = 0,0008), tendo sido observada uma mediana de OS de 22,1 meses (IC 95%: 19,0-26,1) vs. 14,6 meses (IC 95%: 12,8-17,8), respetivamente.

“O anúncio representa o mais recente exemplo do nosso empenho de décadas no desenvolvimento de novos tratamentos para os doentes com tumores genito-urinários”, frisou o Dr. Andy Schmeltz, presidente global da divisão de Oncologia da Pfizer. “Esta aprovação da CE vem endereçar uma necessidade urgente por satisfazer, pelo que estamos ansiosos por disponibilizar uma nova opção de tratamento aos doentes europeus que sofrem de carcinoma urotelial localmente avançado ou metastático”.

“Esta aprovação permite-nos expandir o âmbito de utilização de avelumab a um número ainda maior de doentes com cancro da bexiga e oferecer-lhes a esperança de uma sobrevivência mais prolongada”, fez notar o Dr. Rehan Verjee, presidente para a América do Norte e diretor global de entidades franchisadas de Medicina Inovadora do setor de negócios de cuidados de saúde da Merck. “Esta é uma demonstração clara do nosso empenho em transformar os tratamentos standard da prática clínica oncológica”.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019