Especialistas questionam atrasos na aprovação de novos tratamentos para fibrose quística
03/02/2021 15:21:36
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Especialistas questionam atrasos na aprovação de novos tratamentos para fibrose quística

“Porque é que em Portugal uma pessoa com fibrose quística (FQ) tem de esperar mais nove anos do que noutro país da Europa pelo acesso a um medicamento que faz toda a diferença na sua saúde e esperança de vida?”. Quem o questiona é a Prof.ª Doutora Margarida D. Amaral, investigadora e professora catedrática da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e diretora do BioISI – Instituto de Biossistemas & Ciências Integrativas.

De acordo com a investigadora portuguesa, que há 27 anos trabalha na área da FQ, "o processo de aprovação dos medicamentos é ainda penosamente demorado, sem razão aparente para estes atrasos. Como exemplo, em Portugal temos ivacaftor e o combinado de lumacaftor e ivacaftor, que estiveram em avaliação durante cinco anos no INFARMED. Ambos aguardam assinatura na Secretaria de Estado da Saúde. A combinação de ivacaftor com tezacaftor e elexacaftor, um novo medicamento que abrange o maior número de doentes e que demonstrou trazer benefícios espetaculares, encontra-se em avaliação no INFARMED desde julho de 2020. É dramático pensar que, no nosso país, ainda não foi tomada qualquer decisão relativamente à disponibilização destes medicamentos às pessoas com FQ.”

Para o Dr. Paulo Sousa Martins, presidente da Associação Nacional de Fibrose Quística (ANFQ), “se a Agência Europeia do Medicamento (EMA) aprovou em tempo recorde esta nova terapia reconhecendo a urgência do acesso a este medicamento, não há justificação para que em Portugal se perca mais tempo com mais reavaliações. Estão vidas em causa. É preciso travar a progressão da doença – agora. Queremos acesso imediato, à semelhança do que aconteceu na Alemanha, Inglaterra, Suíça, Dinamarca, Irlanda.” “No momento em que Portugal assume a presidência da União Europeia (UE) e em que o acesso universal aos medicamentos é uma das suas bandeiras, precisamos de demonstrá-lo na prática e acabar de vez com o atraso que as pessoas com FQ têm no acesso à medicação inovadora. Somos o único país da União Europeia que não tem acesso generalizado a nenhum destes medicamentos. Não é aceitável”, sublinha.

Em dezembro de 2020 foi lançada uma petição pública pela comunidade de fibrose quística em Portugal a apelar ao acesso imediato aos medicamentos inovadores, nomeadamente a esta combinação de ivacaftor com tezacaftor e elexacaftor. Esta petição, endereçada à Assembleia da República, foi submetida a 27 de janeiro para apreciação com mais de 18 mil assinaturas.

Segundo Ana Nascimento, doente com FQ e primeira subscritora da petição pública, “relativamente à combinação de ivacaftor com tezacaftor e elexacaftor, estamos perante um medicamento que é de tal modo eficaz e abrangente que está a mudar o paradigma no tratamento da patologia. É absolutamente cruel o tempo de espera a que temos sido sujeitos para termos acesso a estes medicamentos inovadores. Enquanto esperamos, assistimos à destruição progressiva dos nossos pulmões de uma forma irreversível, o que equivale à perda de anos de vida. Não podemos mesmo esperar mais”.

O Dr. Herculano Rocha, presidente da Associação Portuguesa de Fibrose Quística (APFQ), revela que “em Portugal, nenhuma das pessoas que são atualmente elegíveis para as novas terapêuticas teve ainda acesso generalizado às mesmas. No caso da combinação de ivacaftor com tezacaftor e elexacaftor e dada a sua eficácia, é essencial que este medicamento seja rapidamente disponibilizado”. E acrescenta:“Deverá ser utilizado como forma de prevenir a diminuição da função pulmonar de forma irreversível. Só assim teremos pessoas com melhor qualidade de vida. O tempo é determinante na FQ. Este medicamento permitirá salvar vidas, atrasando ou mesmo evitando a necessidade de transplantes pulmonares em crianças, adolescentes e adultos. Todo o tempo de espera burocrático que tem decorrido é sinónimo de perda progressiva e irreversível da capacidade respiratória”, concluiu o especialista.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019