COVID-19: APDP apela ao Ministério da Saúde para intervir no acesso generalizado aos auto-testes
29/01/2021 13:11:04
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
COVID-19: APDP apela ao Ministério da Saúde para intervir no acesso generalizado aos auto-testes

Para ser feita uma gestão rigorosa, nesta situação de pandemia, a Associação Proctetora dos Diabéticos de Portugal (APDP) reforça a importância do uso doméstico e acesso generalizado, sem necessidade de receita, dos testes rápidos de antigénio que, ao contrário dos laboratoriais, podem dar resultados em minutos e são de fácil utilização.

A associação reforça que a introdução de auto-testes é um marco determinante e inovador no diagnóstico da COVID-19. Além disso, o facto de poderem ser utilizados pelas próprias pessoas e darem a conhecer o resultado rapidamente, significa que podem desempenhar um importante papel no combate à pandemia.

O Dr. José Manuel Boavida, presidente da APDP, apela à intervenção urgente do Ministério da Saúde, defendendo que “os auto-testes representam uma grande oportunidade, pois permitem diminuir a afluência aos laboratórios, e esperar horas ou dias, e transmitem confiança às pessoas, dando-lhes mais opções no conforto e segurança das suas próprias casas”. Se clamamos pelo aumento da literacia, este é o caminho. Acreditar nos próprios interessados: já foi assim com a insulina, com os testes de gravidez e da SIDA, agora é a vez dos testes da COVID-19!”.

Atualmente, a aplicação dos testes rápidos de antigénio só é permitida nos estabelecimentos prestadores de cuidados de saúde, laboratórios e, a título excecional, às equipas de saúde pública. A APDP defende a venda de testes rápidos de antigénio nas farmácias e a sua utilização massificada, referindo que os farmacêuticos podem ajudar, ensinando as pessoas a auto-testarem-se. Para que isso aconteça é preciso, primeiro, a atuação do Infarmed para evitar a especulação e para controlar os preços.

“Se queremos maior envolvimento dos cidadãos, temos de lhes dar as ferramentas necessárias. As pessoas infetadas devem ser identificadas e isoladas o mais depressa possível e tal só será conseguido com testes rápidos e baratos à escala populacional. A própria Comissão Europeia recomenda aos Estados Membros o alargamento do uso dos testes rápidos de antigénio para conter a propagação da COVID-19. Como a história da diabetes e da insulinoterapia já comprovou, não há motivo nenhum para que as pessoas não possam aprender a auto-testarem-se”, explica o Dr. João Filipe Raposo, diretor clínico da APDP.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019