Cancro do colo do útero “é uma doença evitável e curável”
25/01/2021 15:50:44
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Cancro do colo do útero “é uma doença evitável e curável”

Todos os anos, cerca 300 mil mulheres perdem a vida no mundo devido ao cancro do colo do útero. Em Portugal, os dados de 2020 dão conta de 865 mulheres diagnosticadas e 379 vítimas mortais. Isto significa que todos os dias morre, em média, uma mulher vítima de cancro do colo do útero em Portugal. A Dr.ª Rita Sousa, ginecologista do Instituto Português de Oncologia de Coimbra, afirma que "esta é uma doença que, com os rastreios, pode ser evitada e curada se detetada precocemente. O rastreio demora apenas cinco minutos, mas pode salvar a vida de uma mulher.”

Esta é a mensagem a reforçar na Semana Europeia de Prevenção do Cancro do Colo do Útero que, entre 25 e 31 de janeiro, chama a atenção para a necessidade de realização dos rastreios.

A campanha é apresentada pela Liga Portuguesa Contra o Cancro, com o apoio da Roche, Sistemas de Diagnósticos. “Faz o Rastreio e Alerta as Mulheres da Tua Vida” serve de mote para esta campanha, que inclui um vídeo com a participação de Maria Cerqueira Gomes.

O cancro do colo do útero é o 4.º tipo de cancro mais frequente nas mulheres, mas é uma doença evitável e curável, devido aos rastreios.

Neste tempo de crise devido à pandemia de COVID-19, muitos portugueses viram-se afastados dos cuidados de saúde de rotina. Segundo dados do Portal da Transparência, entre novembro de 2019 e igual mês de 2020, assistiu-se a uma redução de 10% no número de rastreios do cancro do colo do útero, justificada pela sobrecarga que a COVID-19 tem causado nos serviços de saúde. Mas há cuidados que não se podem adiar, sendo essencial que cada um desempenhe também um papel ativo na gestão da sua saúde.

“Não há que ter medo de o fazer. Trabalhamos com segurança e o rastreio demora apenas cinco minutos. Embora o tempo de progressão das lesões no colo do útero seja longo, é muito importante não descurar esta parte da nossa saúde”, a Dr.ª Rita Sousa reforça a ideia.

Sabe-se que 80% das mulheres sexualmente ativas acabam por contrair uma infeção por HPV em algum momento das suas vidas.

Em Portugal, existe um programa nacional de rastreio que se destina a todas as mulheres dos 25 aos 60 anos e é feito com base num teste HPV. Se o teste for negativo, só precisa de ser repetido ao fim de cinco anos.

A vacina contra o HPV faz parte do plano nacional de vacinação desde 2008, no entanto, a Dr.ª Rita Sousa sublinha que mesmo as mulheres vacinadas devem manter a participação no rastreio.

Nesta Semana Europeia de Prevenção do Cancro do Colo do Útero, a Liga Portuguesa Contra o Cancro aposta na sensibilização e importância para o rastreio e diagnóstico precoce.

Assista ao vídeo aqui.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019