Horta-Osório substitui Luís Portela como presidente do Conselho de Administração da BIAL
22/01/2021 14:11:14
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Horta-Osório substitui Luís Portela como presidente do Conselho de Administração da BIAL

António Horta-Osório será o novo presidente do Conselho de Administração da farmacêutica BIAL a partir de abril, após deixar o cargo de presidente executivo do banco Lloyds. Substituirá Luís Portela, acionista maioritário da empresa e presidente durante os últimos 42 anos. António Portela continuará a liderar a Comissão Executiva de BIAL.

“A BIAL é uma das empresas portuguesas que mais admiro e, por isso, o convite que me foi dirigido pelo Luís Portela constitui um enorme orgulho. O Luís lançou a BIAL no mundo, tornando-a numa empresa internacional de renome. Desejo que a minha experiência ajude a consolidar ainda mais esse caminho”, destaca Horta-Osório.

António Horta-Osório tem uma longa e bem-sucedida carreira na banca, que começou em 1987 no Citibank, a que se seguiu a Goldman Sachs, em Nova Iorque e Londres. Em 1993 foi convidado por Emilio Botín para o Santander, onde criou o Banco Santander de Negócios Portugal, tendo liderado as operações do banco neste país e no Brasil e, posteriormente, no Reino Unido, tornando-se em 1999 Vice-Presidente Executivo do Grupo Santander.

Em 2010 foi nomeado presidente executivo do Lloyds, tendo aceitado lugares de administrador não executivo no Banco de Inglaterra, e em alguns grandes grupos económicos, como a Exor (holding da família Agnelli) e a INPAR (holding da família Lemann), que mantém.

No verão passado anunciou a sua saída do Lloyds no final do seu atual mandato, e em dezembro foi noticiado que será o futuro chairman do banco Credit Suisse, a partir de maio deste ano.

“Esta mudança vem sendo preparada há algum tempo, visando, por escolha da minha família, o reforço da estrutura profissional que desenvolvemos, preparando a BIAL para um novo patamar no contexto internacional”, afirma Luís Portela, acrescentando: “Retiro-me com um enorme agradecimento à fantástica equipa que tive o privilégio e o prazer de capitanear e com a convicção de que, com o apoio de António Horta-Osório, estão criadas condições para servirmos cada vez melhor a saúde de um cada vez maior número de pessoas.”

Em 1979, Luís Portela, com 27 anos, comprou a maioria do capital e assumiu a presidência da empresa fundada em 1924 pelo seu avô, liderando a sua transformação numa farmacêutica internacional de inovação, com o lançamento a nível global dos primeiros medicamentos de investigação portuguesa: um antiepilético e um antiparkinsoniano. Em 2011, passou a presidência executiva ao filho mais velho, António, passando a exercer as funções de chairman. No Conselho de Administração está igualmente presente desde 2010 o seu filho Miguel, reforçando a presença da quarta geração da família Portela na gestão da BIAL.

Luís Portela já tinha anunciado que se iria retirar da vida profissional antes dos 70 anos de idade - que atinge dentro de meses -, para se dedicar à Fundação BIAL, aos seus livros e à família. A Fundação BIAL, a que continuará a presidir, é uma instituição mecenática, criada em 1994 em conjunto com o Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas, com a missão de incentivar o estudo científico do ser humano, tanto do ponto de vista físico como espiritual.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019