Cuidados Paliativos em tempo de pandemia: APCP exige resposta urgente
21/01/2021 15:43:23
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Cuidados Paliativos em tempo de pandemia: APCP exige resposta urgente

A Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) apela a que sejam reunidos esforços no sentido de descentralizar os cuidados dos hospitais, aliviando os serviços de urgência e garantindo a adequação de cuidados aos mais frágeis e vulneráveis. Além disso, pede a mobilização de profissionais especialistas nesta área, já por si tão deficitária em Portugal, quer o encerramento de serviços de cuidados paliativos, numa fase em que a sua resposta é ainda mais prioritária.

Para isto, a APCP alerta para a necessidade urgente da inclusão das equipas especialistas em cuidados paliativos na estratégia de resposta à situação pandémica, considerando que o Ministério de Saúde deveria dar uma rápida resposta à nomeação da Comissão Nacional de Cuidados Paliativos, que continua em espera.

O exponencial aumento do número de pessoas doentes com COVID-19 assim como o crescente número de pessoas que falecem (em contexto COVID e noutros), configuram um conjunto de grandes preocupações que fazem reconhecer a iminente rutura do SNS.

“É preciso reconhecer a impossibilidade de dar resposta hospitalar a todos os doentes, mas também perceber que muitos doentes em situação de doença avançada e em fim de vida podem e devem ser cuidados fora dos hospitais. Num momento particularmente difícil para o SNS, é urgente que se priorizem equipas que facilitem os processos de tomada de decisão antecipada e se invista nos cuidados de proximidade. Só assim se conseguirão planear e promover cuidados centrados nas necessidades da pessoa doente e sua família, com especial destaque para o alívio sintomático”, explica a Enf.ª Catarina Pazes, presidente da APCP.

A nível hospitalar o papel das equipas de cuidados paliativos é crucial, nomeadamente no planeamento e assessoria nas tomadas de decisão, definições estratégicas e questões éticas. Além deste, estas equipas assumem também um papel fundamental na articulação com recursos da comunidade e facilitação de altas clínicas de doentes que possam regressar ao domicílio.

Para que a resposta a cada doente seja a mais adequada possível, é urgente definir níveis de cuidados e garantir ao máximo, e dentro do possível, os cuidados no contexto comunitário e nos Lares de idosos. É urgente um apoio na tomada de decisão antecipada, para que não falhem cuidados de alívio sintomático e apoio adequado a quem não necessita de cuidados que são exclusivos do meio hospitalar.

“Assumir os Cuidados Paliativos como uma resposta da linha da frente, entende-se como uma mais-valia não só para cada doente e família, como também para o SNS como um todo. Perante a maior Crise dos últimos tempos, assume-se como imperioso assegurar cuidados de saúde sustentáveis. Reconhecer os limites da vida, promover a qualidade de cuidados e garantir a adequação de respostas do SNS”, conclui a Enfª Catarina Pazes.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019