Estudo valida biomarcador que prevê risco de recidiva de cancro da próstata
14/01/2021 15:07:38
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Estudo valida biomarcador que prevê risco de recidiva de cancro da próstata

O urologista da CUF Oncologia Pedro Bargão Santos acaba de concluir o seu doutoramento em Medicina na especialidade de Investigação Clínica, na Nova Medical School - Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa, com uma dissertação sobre o papel dos marcadores celulares e moleculares para a estratificação prognóstica do cancro da próstata. A investigação valida o biomarcador CXCR7 como preditor de pior sobrevivência livre de cancro da próstata após prostatectomia radical.

“Which epigenetic and inflammation-related biomarkers can identify clinically aggressive prostate cancer” é o tema da tese de doutoramento de Pedro Bargão Santos, que teve como principal objetivo investigar novos biomarcadores que pudessem aperfeiçoar a estratificação dos doentes de acordo com o risco de progressão para cancro da próstata letal, possibilitando uma avaliação mais precisa do prognóstico e a definição da estratégia terapêutica de forma mais personalizada.

No decorrer da investigação, o urologista do Hospital CUF Descobertas e do Hospital CUF Tejo correlacionou, entre outras variáveis, o conhecimento científico existente sobre biomarcadores pouco estudados no cancro da próstata comparando-o com as características clínicas e patológicas de progressão da doença (PSA, recorrência bioquímica e resultados clínicos de doentes, contemplando sobrevivência específica da doença, sobrevivência livre de doença e sobrevivência global).

A principal conclusão do estudo é a validação do biomarcador CXCR7 como preditor independente de pior sobrevivência livre de doença, após a realização de prostatectomia radical. “Os resultados da investigação apontam que este pode vir a ser um bom marcador de recidiva de doença, após a cirurgia, mesmo antes da subida do PSA”, indica o investigador. O estudo retrospetivo vem, também, corroborar uma das teorias para a génese do cancro da próstata, a da inflamação prostática crónica, visto ser um marcador relacionado com a inflamação.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019