COVID-19: SPAIC emite esclarecimento sobre reações alérgicas à vacina
10/02/2021 14:53:29
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
COVID-19: SPAIC emite esclarecimento sobre reações alérgicas à vacina

A Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC), baseada no conhecimento atual, nas informações disponíveis da EMA e FDA sobre a vacina da Pfizer-BioNTech para o vírus SARS-CoV-2, e na sequência das recomendações da Agências Reguladoras do Medicamento do Reino Unido e dos Estados Unidos da América, emitiu um esclarecimento sobre as reações alérgicas à vacina. Neste sentido, a SPAIC explica que:

  1. As reações alérgicas às vacinas do calendário nacional de vacinação são raras. As reações mais graves (reações anafiláticas) ocorrem em menos de um em 100 mil indivíduos.
  2.  De acordo com a informação disponível, as reações alérgicas à vacina Pfizer-BioNTech para a COVID-19, serão também eventos raros.
  3. Apesar da informação clínica disponível sobre os casos em que terão ocorrido reações alérgicas suspeitas à vacina Pfizer-BioNTech para a COVID-19 ser ainda muito limitada, não se supõe existir um risco acrescido de efeitos adversos à vacina em doentes asmáticos, com rinite alérgica ou com eczema.
  4. Por isto, propõe que: 1) a vacina Pfizer-BioNTech para a COVID-19 não seja administrada em doentes com antecedentes de reações alérgicas graves a vacinas, e que 2) a relação risco-benefício seja avaliada por um imunoalergologista nos casos de anafilaxia prévia a medicamentos, alimentos, latex, venenos de himenópteros e ainda nos casos de anafilaxia idiopática, síndromes de ativação mastocitária e imunodeficiências primárias.
  5. As vacinas para o SARS-CoV-2 só deverão ser administradas em Unidades de Saúde onde existam profissionais devidamente treinados e meios adequados para o tratamento de eventuais reações alérgicas. Deverá ser respeitado um período de vigilância de 30 após a administração da vacina.
  6. Os imunoalergologistas estão disponíveis para investigar todos os doentes com reações alérgicas graves às vacinas para o SARS-CoV-2 que venham a estar disponíveis em Portugal, em consonância com a norma de orientação clínica 004/2012 da Direção Geral de Saúde “Anafilaxia: registo e encaminhamento”, atualizada em 18/12/2014.


Pesquisa

Publicações

Prev Next

Médico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Farmacêutico News, 37, janeiro/fevereiro 2019

Hematologia e Oncologia, 24, dezembro 2018

15.º Congresso Português de Diabetes, n.3

  SIDA, 37, janeiro/fevereiro 2019