Perguntas frequentes
04/01/2018 9:33:11
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Perguntas frequentes

Ainda que se desenvolvam de forma lenta e gradual, as complicações crónicas da diabetes podem ser incapacitantes e até mesmo fatais. 

Quais as complicações da diabetes tipo 2?

Ainda que se desenvolvam de forma lenta e gradual, estas complicações crónicas da diabetes podem ser incapacitantes e até mesmo fatais. Incluem, entre outras:

- Doença cardiovascular: a diabetes aumenta dramaticamente o risco de vários problemas cardiovasculares, incluindo doença arterial coronária, por vezes originando dor no peito (angina), enfarte agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral, estreitamento das artérias (aterosclerose) e elevação da pressão arterial.

- Neuropatia diabética: o excesso de glicose pode causar lesões em pequenos vasos sanguíneos denominados capilares, que são responsáveis por irrigar os nervos. Estas lesões podem manifestar-se sob a forma de sensação de “formigueiro”, “adormecimento”, queimor ou dor, que geralmente se inicia nas pontas dos pés ou dedos e depois se estende de forma ascendente nos membros inferiores. As lesões dos nervos que controlam a digestão podem causar problemas como náuseas, vómitos, diarreia e obstipação. A disfunção eréctil é também um problema frequente nos homens diabéticos.

- Nefropatia diabética: os rins contêm milhões de pequenos “novelos” de vasos sanguíneos que filtram o nosso sangue, podendo a diabetes lesar este delicado sistema. Quando a lesão é grave, pode ocorrer falência renal ou doença renal terminal, necessitando o doente de diálise ou de transplante renal.

- Retinopatia diabética: a diabetes pode lesar os vasos sanguíneos da retina, potencialmente conduzindo à cegueira. Outras alterações frequentes são as cataratas e o glaucoma.

- Pé diabético: quer as lesões dos nervos (neuropatia), quer a má circulação sanguínea (vasculopatia) dos pés podem conduzir a várias complicações. As feridas que aparecem nos pés, sem sensibilidade e com circulação de sangue deficiente – pés diabéticos – infetam facilmente e são difíceis de tratar, podendo acabar em amputação do(s) dedo(s), pé(s) ou perna(s).

 

Como se trata a diabetes tipo 2?

O tratamento da diabetes tipo 2 normalmente engloba:

- Educação da Pessoa com diabetes, que inclui a autovigilância e o autocontrolo da diabetes através de testes ao sangue, e que permitem o ajuste da alimentação e da medicação;
- Alimentação adequada;
- Exercício físico diário;
- Medicamentos: antidiabéticos orais sob a forma de comprimidos ou, quando necessário, insulina.

Para manter a glicose sanguínea dentro dos valores normais, é importante que se adote um estilo de vida saudável; quando as mudanças de estilo de vida não permitem por si só baixar os valores da glicemia, é associada medicação adequada.

 

A diabetes tipo 2 “sente-se”?

Os sintomas da diabetes tipo 2 podem desenvolver-se muito lentamente. Na realidade, podemos ter este tipo de diabetes durante anos sem sabermos. Eis alguns sintomas:

- Urinar em grande quantidade e mais vezes
- Sede constante e intensa
- Fome constante e difícil de saciar
- Sensação de boca seca
- Perda de peso
- Fadiga
- Visão turva
- Comichão no corpo

 

Alergias Respiratórias

Pesquisa