Controlo e risco: o papel do colesterol LDL nas doenças cardiovasculares
13/08/2019 11:43:10
Prof. Doutor Alberico Catapano
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Controlo e risco: o papel do colesterol LDL nas doenças cardiovasculares

O Prof. Doutor Alberico Catapano, diretor do Laboratório de Estudos das Lipoproteínas e Aterosclerose, da Universidade de Milão, Itália, foi um dos profissionais de saúde que marcou presença na nona edição do Challenges in Cardiology enquanto palestrante, debruçando-se sobre a combinação terapêutica em dislipidémias e o papel da ezetimiba. Assista ao vídeo.

Segundo o especialista, a sua intervenção focou-se em três mensagens importantes: controlar o colesterol LDL é um fator benéfico, uma vez que, ao reduzi-lo, é possível prevenir eventos cardiovasculares; se um doente com síndrome coronária aguda for tratado com redução de LDL, o risco absoluto será maior do que no tratamento a um doente primário. “Quanto maior for o risco do doente, maior será o benefício”. E, como mensagem sumária, já existirem “as ferramentas necessárias para reduzir de forma consistente o colesterol LDL”, garantindo que essas ferramentas são também “uma forma de combinar mecanismos de ação com ezetimiba, reduzindo as chances de ter de aplicar medicamentos muito concentrados e reduzindo os efeitos secundários”.

O colesterol LDL e a hipercolesterolemia são os maiores fatores de risco, pelo que são também os melhores em termos de redução de eventos quando controlados. “Estilo de vida e combinação de fármacos: todos eles em conjunto irão ajudar também o doente a reduzir os fatores de risco”, acrescenta.

Em termos económicos, o Prof. Doutor Alberico Catapano adianta que o impacto neste sentido é “bastante claro”, uma vez que “mais de 50% da população irá morrer devido a doenças cardiovasculares”. O médico refere que, apesar de possivelmente não ser do conhecimento comum, existem mais mulheres do que homens a morrer por doenças cardiovasculares.”

O profissional de saúde refere ser essencial não esquecer sobre a importância do período de tempo em que se está com determinado sintoma, comparando este fator ao ato de fumar: “se uma pessoa fumar durante um longo período de tempo, as danificações irão acumular. O mesmo se passa com o colesterol e a pressão arterial.” No caso do colesterol, o médico adianta que “quanto mais cedo se intervir, maior as probabilidades de se conseguir prevenir um evento de ataque cardíaco”.


Pesquisa