Dr.ª Margarida Lobo Antunes assume direção clínica do Hospital Lusíadas Lisboa
08/07/2019 18:24:24
Dr.ª Margarida Lobo Antunes
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Dr.ª Margarida Lobo Antunes assume direção clínica do Hospital Lusíadas Lisboa

A nova direção clínica do Hospital Lusíadas Lisboa fica a cargo da Dr.ª Margarida Lobo Antunes, pediatra que conta já com mais de uma década de prática clínica na mesma unidade. Licenciada em Medicina, pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, a Dr.ª Margarida Lobo Antunes é cofundadora da Unidade de Pediatria do Hospital Lusíadas Lisboa. Em entrevista à News Farma, revela os principais desafios desta sua nova função.

News Farma (NF) | O que significa para si esta nomeação e quais são os principais desafios?

Dr.ª Margarida Lobo Antunes (MLA) | Creio que uma nomeação para um cargo destes é, em primeiro lugar, um reconhecimento do trabalho desenvolvido. A minha atividade no Hospital Lusíadas de Lisboa estende-se ao longo de 11 anos. É uma honra e um privilégio continuar a trabalhar num Hospital que tem desenvolvido um trabalho de excelência a prestar cuidados de saúde de qualidade.

Para mim, é extraordinário ter acompanhado a origem do Hospital. Eu sou pediatra, portanto, acompanho-o [o Hospital], no fundo, desde recém-nascido e agora estamos a chegar à fase adulta, com muitos projetos e novas áreas. Já não somos adolescentes,  somos adultos. Ou seja, já temos uma certa maturidade. Temos muito para crescer - já temos linhas que nos definem, uma série de princípios que vêm da cultura daquilo que está por trás do Hospital Lusíadas de Lisboa que é o UnitedHealth, o nosso grupo americano e que se refletem numa série de princípios fundamentais: a integridade, a compaixão, as relações, a inovação que traduzem aquilo que é a performance do Hospital.

Agora, penso que o meu trabalho é tentar ajudar o corpo clínico do Hospital e conseguir desenvolver os projetos e tratar o melhor possível os doentes.

NF | Falou de novos projetos. Podia antecipar, desde já, alguns projetos que tem em mente?

MLA | Quando iniciamos um novo projeto, temos 10 mil ideias. Eu ainda estou no terceiro dia, portanto encontro-me numa fase de ambientação – ouvir as pessoas, perceber as necessidades, perceber que existem muitas áreas e projetos a desenvolver, nomeadamente ligadas ao ensino.

A formação é uma área muito importante e, por isso mesmo, vamos querer apostar. Temos, neste momento, internos da Medicina Interna que fazem a sua formação aqui connosco. O próximo passo é ter Ortopedia e depois queremos ter outras especialidades. Estamos a falar de ensino pós-graduado, portanto de médicos que vão fazer a sua especialização e isso é bom, porque obriga aos profissionais de cá a manterem-se atualizados. Temos profissionais de referência nessas áreas. Portanto, vai uma oportunidade excelente para quem vem aprender connosco. Depois temos alunos das faculdades, quer de Enfermagem, quer de Medicina o que é fundamental – nós temos que crescer, temos que ensinar e temos que aprender. Temos também uma área dedicada à investigação.

Para além disso, há que rever as diversas unidades que existem dentro do Hospital e criar as melhores condições para cada médico desenvolver o seu trabalho da melhor forma.

Sendo pediatra, acredito que uma área que temos de apostar no futuro é a Geriatria. A população está cada vez mais envelhecida, portanto, temos que pensar em criar consultas e apoios para pessoas com uma certa idade para garantir um fim de vida de qualidade. Não importa viver até aos 90 se não tem saúde.

Temos áreas extraordinárias dentro do Hospital, como a unidade da saúde da mulher onde se tem vindo a verificar um enorme crescimento. 

É um orgulho tremendo pertencer ao corpo clínico deste Hospital. Não precisamos de ter um Hospital em termos de dimensões físicas necessariamente grande, mas temos de ser grandes em qualidade, resultados e em termos uma boa prestação no que respeita aos cuidados de saúde. É esta a nossa aposta. O objetivo é zelar para sermos os maiores em termos de cuidados dos doentes. Acho que é uma boa filosofia. O ser grande, só por ser grande não me parece que seja uma boa aposta. Tenho uma grande vontade de trabalhar e acredito muito neste Hospital porque, de facto, cresci aqui.

NF | O Hospital Lusíadas pretende ser, e já é, uma referência na prestação de cuidados de saúde no setor privado. Neste sentido, qual é a perspetiva atual e o que é que ainda falta fazer?

MLA | A ideia passa por ter um projeto consistente, transparente. Nós queremos ser responsabilizados por desenvolver um bom trabalho. Temos o nosso projeto de acreditação do Joint Commission International e isso é extremamente importante, pois é um selo de qualidade e mostra que temos um patamar e um standard de trabalho ao nível de todo o funcionamento hospitalar de excelência. Claro que pretendemos expandir e fazer coisas novas, mas é importante continuar sólidos e manter o nosso projeto. O nosso propósito é que os doentes se sintam bem neste Hospital.

 

Dr. Leopoldo Matos acessou funções de diretor clínico do Hospital Lusíadas Lisboa para integrar uma estrutura recém-criada de apoio à administração.


Pesquisa