Hidradenite supurativa: uma doença crónica com impacto na qualidade de vida
03/06/2019 17:06:22
Dr. Pedro Mendes Bastos, Médico especialista em Dermatologia e Venereologia Hospital CUF Descobertas, Lisboa
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Hidradenite supurativa: uma doença crónica com impacto na qualidade de vida

A hidradenite supurativa é uma das doenças crónicas com maior impacto na qualidade de vida. Apesar desta afirmação ser verdadeira e de estimarmos em 100 mil o número de doentes em Portugal, o atraso diagnóstico e a odisseia dos doentes pelos serviços de Saúde são ainda francamente dececionantes.

Trata-se de uma doença crónica que evolui de forma recidivante, intercalando períodos de exacerbação com acalmia. Os doentes são na maioria mulheres e em idades jovens (20-50 anos) que referem crises de dor, inflamação e eliminação de pus nas axilas, regiões inguinais, área púbica, genital e perianal. Ao exame objetivo, podemos observar vários tipos de lesões: comedões, pápulas, pústulas, nódulos ou abcessos. Se a doença não for tratada, a inflamação recorrente pode destruir a normal arquitetura cutânea, originando-se também cicatrizes, fibrose e fístulas. O diagnóstico é clínico – não são habitualmente necessários exames laboratoriais, de imagem ou outros para estabelecer o diagnóstico. Assenta em trêspontos essenciais: lesões cutâneas típicas, envolvimento das áreas anatómicas típicas e evolução crónico-recidivante ao longo do tempo.

Do ponto de vista fisiopatológico, pode ser classificada como uma doença de origem folicular (à semelhança da acne) mas que cursa com desregulação imune e inflamação sistémica. A inflamação sistémica é alvo de investigação intensa, bem como a melhor compreensão das comorbilidades que parecem orbitar em torno desta doença. Falamos de maior prevalência de obesidade, síndrome metabólica, tabagismo, doença cardiovascular e depressão/ansiedade. Devemos ainda mencionar uma associação a doenças imuno-mediadas como espondilartrite e doença inflamatória intestinal.

Depois de várias décadas ausente das luzes da ribalta dos congressos, a hidradenite supurativa é hoje um tema incontornável da imunologia clínica, sendo atualmente assunto de destaque em todas reuniões científicas da Dermatologia.

Por ser uma doença complexa e com tratamento muito individualizado conforme os casos, a necessidade de diferenciação é evidente. Diferenciação do dermatologista em hidradenite supurativa, quer na área de terapêutica médica, quer na área cirúrgica. Por um lado, é necessária experiência para a correta utilização de medicamentos biotecnológicos como o adalimumab, o único fármaco onlabel para o tratamento de hidradenite supurativa (aprovado para adultos e adolescentes a partir dos 12 anos); por outro lado, é também necessária experiência para realizar o tratamento cirúrgico/laser que complementa a abordagem médica.

Sendo uma doença inflamatória crónica, a abordagem médica é indispensável para o controlo da inflamação. A abordagem cirúrgica é importante no tratamento de sequelas, cicatrizes e fístulas que frequentemente ocorreram com a sua progressão e que devem ser eliminadas para que não sejam focos perpétuos de inflamação recorrente. O “quando” e “onde” destes tratamentos é uma decisão que deve ser tomada pelo dermatologista assistente de cada doente. A referenciação e tratamento atempados são cruciais pois existe um período janela para controlo da inflamação antes que ocorram as alterações irreversíveis e destruição cutânea que tornam toda a abordagem clínica um verdadeiro quebra-cabeças.

Em Portugal, existem já vários dermatologistas que se dedicam ao tratamento da hidradenite supurativa. Vários serviços de Dermatologia têm vindo a criar consultas especializadas para dar resposta a estes doentes. Seguindo o modelo que tem vingado em outros países, a multidisciplinaridade tem-se revelado a chave para a melhor abordagem terapêutica nos casos complexos. Os cuidados devem ser centrados no médico dermatologista que, no seu próprio contexto hospitalar, constitui a sua equipa de hidradenite supurativa, incluindo colegas de outras especialidades e técnicos de saúde. Profissionais como o psicólogo, o nutricionista, o farmacêutico, o cirurgião, o gastrenterologista, o imagiologista, o reumatologista, o médico de família, o endocrinologista, entre outros, devem conhecer o seu importante papel na abordagem holística dos doentes com hidradenite supurativa.

A Associação Portuguesa de Doentes com Hidradenite Supurativa (APDHS) tem sabido estar à altura do desafio: destacamos o apoio entre pares, tão relevante para esta doença crónica de elevado impacto físico, psicológico, sexual, social, financeiro e familiar.Em Portugal, existem já vários dermatologistas que se dedicam ao tratamento da hidradenite supurativa. Vários serviços de Dermatologia têm vindo a criar consultas especializadas para dar resposta a estes doentes. Seguindo o modelo que tem vingado em outros países, a multidisciplinaridade tem-se revelado a chave para a melhor abordagem terapêutica nos casos complexos. Os cuidados devem ser centrados no médico dermatologista que, no seu próprio contexto hospitalar, constitui a sua equipa de hidradenite supurativa, incluindo colegas de outras especialidades e técnicos de saúde. Profissionais como o psicólogo, o nutricionista, o farmacêutico, o cirurgião, o gastrenterologista, o imagiologista, o reumatologista, o médico de família, o endocrinologista, entre outros, devem conhecer o seu importante papel na abordagem holística dos doentes com hidradenite supurativa.

A Associação Portuguesa de Doentes com Hidradenite Supurativa (APDHS) tem sabido estar à altura do desafio: destacamos o apoio entre pares, tão relevante para esta doença crónica de elevado impacto físico, psicológico, sexual, social, financeiro e familiar.

Em 2019, os desafios para a hidradenite supurativa são: 1) diagnosticar (mais cedo); 2) referenciar a um dermatologista dedicado a HS; 3) fazer parte de uma equipa multidisciplinar. 

Todos juntos conseguiremos vencer a hidradenite supurativa.


Pesquisa