1.º Simpósio de Geriatria: “Todas as especialidades são fundamentais no tratamento do doente geriátrico”
06/03/2019 12:02:42
Dr. Sérgio Coimbra, coordenador da Unidade de Medicina Interna do Hospital Lusíadas, Porto
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
1.º Simpósio de Geriatria: “Todas as especialidades são fundamentais no tratamento do doente geriátrico”

No passado dia 23 de fevereiro, a cidade do Porto recebeu o primeiro Simpósio de Geriatria - A Olhar o Futuro, que decorreu no Hospital Lusíadas Porto. O Dr. Sérgio Coimbra, coordenador da Unidade de Medicina Interna do mesmo hospital e membro da Comissão Organizadora, efetua um balanço do evento.

 

News Farma (NF) | O que motivou a organização do primeiro Simpósio de Geriatria - A Olhar o Futuro?

Dr. Sérgio Coimbra (SC) | Fundamentalmente houve dois propósitos para a realização do I Simpósio de Geriatria. Em primeiro lugar, reforçar a importância da disponibilidade que o hospital deve ter nas suas diferentes especialidades para o modelo assistencial multidisciplinar que a população geriátrica exige. Todas as especialidades são fundamentais no tratamento do doente geriátrico, visto que este tem sempre muitas e complexas comorbidades e, portanto, muitas e variadas necessidades clínicas. A grande maioria dos participantes que estiveram presentes nesta iniciativa pertenciam ao Hospital Lusíadas Porto e eram de diferentes especialidades (Medicina Interna, Cardiologia, Fisiatria, Urologia, Psiquiatria, Otorrino, Oftalmologia, Estomatologia, Nutrição, Enfermagem, entre outras). Portanto, o primeiro objetivo do simpósio foi reforçar o alerta de todos os grupos profissionais do hospital para as necessidades assistenciais multidisciplinares e interdisciplinares que a grande maioria dos doentes idosos necessitam para uma reabilitação clínica capaz. Em segundo lugar, participar no esforço de formação na área assistencial da população geriátrica, não apenas para dentro do nosso Hospital Lusíadas Porto, mas também para o exterior da nossa Instituição Hospitalar. Portanto, quisemo-nos também associar a todo o esforço, que já existe, de diferentes instituições a nível nacional e agregar-nos a este movimento de formação assistencial na área da população geriátrica. Foram fundamentalmente estes os dois propósitos.

 

NF | De acordo com o Instituto Nacional de Estatística, a população idosa representa cerca de 20,7%. Nesse sentido, a área geriátrica é fundamental. Na sua opinião, qual o panorama da Geriatria em Portugal?

SC | A formação em Geriatria não está a iniciar-se. Já tem o seu percurso feito e tem vindo a ser bem notado. Inclusivamente, desde há alguns anos, foi integrada em conteúdos programáticos no ensino de pré-graduação de algumas faculdades. Portanto, já estamos com um percurso razoável nesta formação diferenciada em Geriatria. Temos formação pré-graduada e temos também, desde há muito tempo, formação pós-graduada. Além disso, desde há muitos anos, temos congressos nacionais, jornadas nacionais, simpósios institucionais, focalizados na Geriatria. Existe já, portanto, muito trabalho desenvolvido nesta área da Geriatria.

 

NF | Como foram escolhidas as temáticas abordadas nas diversas intervenções do simpósio?

SC | Os temas das diversas intervenções foram escolhidos com base nos problemas clínicos correntes do dia a dia do doente geriátrico, aqui no nosso hospital. Essa foi realmente uma marca que eu, juntamente com a Dr.ª Alexandra Malheira, também ela membro da Comissão Organizadora do Simpósio, quisemos colocar na escolha dos temas: assuntos clínicos de grande importância, atendendo à nossa experiência no internamento hospitalar da população geriátrica que nos procura para prestação de cuidados assistenciais.

 

NF | O Dr. Sérgio Coimbra moderou a mesa III: O Pecado mora ao lado. Atendendo à particularidade do nome, em que consistiu este momento do Simpósio?

SC | Este nome surgiu porque, realmente, as patologias que foram tratadas nessa intervenção - diabetes mellitus, hipertensão arterial, dislipidemia e insuficiência cardíaca - são patologias que são muito influenciadas pelo nosso estilo de vida. Estão ligadas à obesidade, à sobrecarga do sal alimentar, à vida sedentária, ou a hábitos menos saudáveis como o tabagismo. Portanto, “O Pecado mora ao lado” surge porque nós sabemos que muitas destas patologias se desenvolvem durante a nossa vida devido à adoção de um estilo de vida menos adequado. Se praticarmos estes “pecados”, devemos saber que estamos a contribuir para que possam surgir essas patologias. Foi por isso a escolha do título.

 

NF | De um modo geral, qual o balanço do evento?

SC | O evento teve cerca de 80 inscrições. O auditório esteve com um aspeto magnífico durante todo o dia. Significa isto que, quem nos escolheu para estar connosco no passado dia 23 de fevereiro, manteve-se porque apreciou imenso palestra após palestra. Verificou-se uma satisfação geral, houve alegria, boa disposição e brio dos oradores nas suas palestras, o que prendeu a atenção da plateia. Nos dias seguintes ao Simpósio, a Comissão Organizadora recebeu múltiplos elogios pela qualidade dos oradores, das suas palestras e pelo ambiente pedagógico que se viveu durante todo aquele dia. Queria salientar o mérito, que foi do todo coletivo, para este sucesso.

O primeiro Simpósio de Geriatria – A Olhar o Futuro, foi a primeira iniciativa do Hospital Lusíadas Porto, na área da Geriatria. Para o ano teremos seguramente o nosso II Simpósio de Geriatria.


Pesquisa