"É urgente voltar a priorizar programas de erradicação das hepatites"
28/07/2021 15:20:27
Dr. Paulo Carrola
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
"É urgente voltar a priorizar programas de erradicação das hepatites"
No âmbito do Dia Mundial contra as Hepatites, assinalado hoje, 28 de julho, leia a opinião do Dr. Paulo Carrola, do Núcleo de Estudos das Doenças do Fígado da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI), que frisa a importância do tratamento atempado e da ação governamental, de modo a ser possível alcançar o objetivo estabelecido pela Organização Mundial Da Saúde (OMS) de eliminar as hepatites até 2030.

Todos os anos, a 28 de julho, celebra-se o Dia Mundial das Hepatites, data em que pessoas e organizações de todo o mundo unem esforços para sensibilizar a população e os decisores políticos para a importância destas doenças.

As hepatites víricas são condições inflamatórias do fígado provocadas pelos vários vírus da hepatite (A, B, C, D e E), inspirando maior preocupação as formas crónicas da hepatite B e C, embora atualmente disponhamos de tratamentos eficazes.

Uma vez que a infeção crónica é assintomática, muitos doentes desconhecem que têm esta patologia e não procuram ajuda atempadamente, o que pode levar ao desenvolvimento de cirrose e cancro hepático. Este problema adquire especial gravidade na hepatite C. Se para a hepatite B existe vacinação, há muito incluída no Plano Nacional de Vacinação, para a hepatite C resta a evicção dos comportamentos de risco para a transmissão da infeção e a identificação dos doentes por testagem e seu subsequente tratamento.

Em 2016, a OMS lançou as primeiras orientações com vista à eliminação das hepatites víricas como problema de saúde pública até 2030. Estas orientações incluíam quer medidas preventivas, como a administração da vacina da hepatite B às crianças e a segurança na administração de hemoderivados e injetáveis, quer a testagem e tratamento das hepatites B e C. Mas esta é uma matéria em constante atualização e a OMS, já em junho de 2021, emitiu novas orientações, que tendem a promover a normalização das abordagens de saúde pública para a eliminação da hepatite viral, reconhecendo a importância do contexto nacional das hepatites B e C.

O nosso país tem conseguido chegar aos grupos populacionais com maior prevalência da infeção, nomeadamente aos consumidores de drogas, aos trabalhadores do sexo, aos sem abrigo e aos imigrantes. Contamos, desde há muito, com a ajuda de várias associações, que, através de uma abordagem de proximidade, intervêm ao nível da prevenção, diagnóstico e tratamento da doença. Esta prática alimentou um novo modelo de prestação de cuidados de saúde, através da deslocação dos profissionais de saúde, como a que já ocorre em inúmeros estabelecimentos prisionais.

Desde 2015, ano em que se iniciou o tratamento da hepatite C com antivirais de ação direta no nosso país, já foram autorizados mais de 28 mil tratamentos dos quais mais de 27 mil doentes já o iniciaram. A taxa de cura desta infeção persiste em valores elevados, na ordem dos 97%.

No entanto, a erradicação da doença é uma meta ambiciosa e a presente pandemia veio adicionar ainda mais constrangimentos à sua concretização. Um estudo recente mostrou que um ano de atraso no diagnóstico e tratamento pode resultar num acréscimo de 44.800 cancros do fígado e 72.300 mortes por hepatite C a nível mundial até 2030. Os tratamentos para hepatite C caíram, mesmo nos países desenvolvidos.

Em Portugal, ocorreram menos 2806 pedidos de tratamento em 2020, comparativamente a 2019, o que corresponde a uma redução de 62,5 %! Para mitigar o impacto da pandemia nos programas das hepatites virais e reduzir o excesso de mortalidade devido ao atraso nos tratamentos, os decisores políticos devem priorizar estes programas logo que seja seguro fazê-lo.

Numa altura em que pretendemos virar a página da pandemia COVID-19, devemos reforçar o rastreio, realizando-o de forma mais sistemática e organizada, para atingir o maior número possível de indivíduos no mais curto espaço de tempo. Também de importância extrema é o tratamento atempado de todos os casos identificados, de forma a atingirmos o objetivo global de erradicação até 2030. Precisamos de todos neste esforço conjunto!


Pesquisa