Artrite psoriática: a importância do combate ao subdiagnóstico
30/03/2021 11:54:05
Dr. Pedro Mendes Bastos
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Artrite psoriática: a importância do combate ao subdiagnóstico

A propósito das novas guidelines para o tratamento da psoríase com medicamentos biológicos, emitidas pelo Grupo Português de Psoríase, o Dr. Pedro Mendes Bastos debruça-se sobre a sua relevância para a abordagem da artrite psoriática e, em concreto, sobre o projeto Check AP. Leia o artigo na íntegra.

O Grupo Português de Psoríase (GPP) da Sociedade Portuguesa de Dermatologia e Venereologia (SPDV) emitiu novas guidelines destinadas a apoiar a prática clínica no que respeita à escolha do melhor tratamento biológico para adultos com formas de psoríase em placas moderada a grave, com ou sem artrite psoriática (AP). O objetivo destas recomendações é proporcionar aos dermatologistas um algoritmo atualizado de suporte à decisão terapêutica.

Em particular, estas novas recomendações enfatizam a importância de uma abordagem terapêutica de acordo com a presença ou não de artrite psoriática. A artrite psoriática (AP) é um componente da mais abrangente doença psoriática – os dados disponíveis apontam para o seu desenvolvimento em cerca de 30% dos doentes com psoríase2 – sabendo-se também que 84% dos doentes com AP foram primeiro diagnosticados com psoríase. Não obstante, encontra-se subdiagnosticada, estimando-se que, após o diagnóstico de psoríase, haja um atraso de dez anos no diagnóstico da doença articular. Este cenário aumenta o risco de dano estrutural irreversível, prejudicial ao prognóstico destes doentes.

É por isso que, em linha com as recomendações do GPP, a abordagem do doente com psoríase deve contemplar o rastreio de AP. É precisamente este o propósito do Check AP, um projeto que nasce da parceria entre a Dermatologia e a Reumatologia portuguesas, em colaboração com a Novartis, com o objetivo de validar e implementar na consulta de Dermatologia, de forma sistemática, um questionário de rastreio de artrite psoriática. Atualmente, são seis os centros hospitalares nos quais já está a decorrer o kick of deste projeto – contando, cada um deles, com uma equipa multidisciplinar constituída por um dermatologista e um reumatologista (ver caixa).

Os doentes com psoríase podem apresentar queixas do foro musculoesquelético atribuíveis a AP ou a outras doenças reumáticas. Alguns estudos salientam que 15,5% dos doentes com psoríase podem sofrer de AP não diagnosticada. Entre os doentes com psoríase que são referenciados para o reumatologista, muitos apresentam já dano estrutural. O Check AP, como parceria entre dermatologistas e reumatologistas, pretende contrariar este subdiagnóstico ou diagnóstico tardio de AP.

O questionário EARP [sigla da designação inglesa Early ARtritis for Psoriatic patients] é uma ferramenta de rastreio de artrite psoriática, simples e de fácil interpretação, cuja aplicabilidade real está extensa e robustamente documentada. As equipas multidisciplinares de investigadores, através da implementação deste questionário de rastreio nas consultas de Dermatologia e avaliação clínica posterior de todos os participantes com psoríase na consulta de Reumatologia, pretendem determinar a performance desta ferramenta de rastreio na população portuguesa. Uma vez confirmada a sua sensibilidade e especificidade na deteção de AP para a nossa população, este questionário, agora traduzido na língua portuguesa (adaptação cultural submetida para publicação), terá potencial para vir a ser implementado em larga escala a nível nacional. A vantagem será facilitar a identificação atempada pelos dermatologistas dos doentes psoriáticos em risco de desenvolver AP e que necessitam de referenciação ao reumatologista.

Este é um projeto monitorizado pela Episaúde, em colaboração com a Novartis, e que se espera que concorra para um diagnóstico atempado de AP nos doentes com psoríase e, por consequência, para uma intervenção terapêutica mais precoce e adequada, com potencial impacto a nível da morbilidade.

Aceda aqui ao questionário EARP.


Pesquisa