Virology Meeting Point analisa perspetivas atuais do VIH e das hepatites víricas
25/03/2019 15:19:08
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Virology Meeting Point analisa perspetivas atuais do VIH e das hepatites víricas

Nos dias 10 e 11 de maio, a Gilead Sciences Portugal organiza a 6.ª edição do Virology Meeting Point, na Figueira da Foz. O evento reúne especialistas nacionais e convidados internacionais nas áreas do VIH e das hepatites víricas, cujo objetivo passa por debater as perspetivas atuais na terapêutica antirretrovírica no VIH e de discutir a importância do rastreio e da ligação aos cuidados de Saúde dos doentes com infeção por VIH e VHC. 

O segundo dia do encontro vai focar-se no rastreio e na ligação aos cuidados de Saúde dos doentes com infeção por VHC e VIH, e terá início com uma palestra dedicada aos doentes com infeção por VHC, com a qual se pretende quebrar o estigma dos utilizadores de drogas através de uma melhor compreensão dos fatores neurobiológicos que estão na origem dos seus comportamentos.

Após uma abordagem mais teórica, vão ser apresentados dois exemplos práticos internacionais de projetos de eliminação e rastreio e ligação aos cuidados de saúde. O Prof. Doutor André-Jean Remy, de França, e da região da Cantábria, em Espanha, pelo Prof. Doutor Javier Crespo. 

O Virology Meeting Point vai proporcionar também a partilha e discussão de projetos nacionais de rastreio e ligação aos cuidados de saúde dos doentes com VHC e VIH, numa dinâmica de grupo, um momento que a Gilead acredita que será muito interessante e profícuo, principalmente pela oportunidade de participação de todos os intervenientes na gestão destes doentes – profissionais de saúde e organizações de base comunitária.

“O Virology Meeting Point pretende, acima de tudo, discutir o que tem vindo a ser feito e o que está ainda por conseguir, tanto na área do VIH como na área das hepatites víricas”, afirma o Dr. Vítor Papão, diretor-geral da Gilead Sciences Portugal.

“É importante discutir os últimos avanços em termos de inovação terapêutica, na ligação dos doentes aos cuidados de saúde e no caminho para a eliminação da hepatite C, entre outros temas, com a comunidade médica, outros profissionais de saúde e as organizações de base comunitária, garantindo que, em conjunto, se avance na melhoria do prognóstico e da qualidade de vida dos doentes”, acrescenta.