9.ª Edição do Fraunhofer Portugal Challenge 2018 premeia projetos de universidades portuguesas
08/11/2018 16:01:16
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
9.ª Edição do Fraunhofer Portugal Challenge 2018 premeia projetos de universidades portuguesas

Já foram anunciados os vencedores do Fraunhofer Portugal Challenge 2018, num evento que colocou em destaque a capacidade de inovação de estudantes e investigadores portugueses, que decorreu durante esta quarta-feira. Em concurso estavam duas categorias, numa iniciativa do Fraunhofer AICOS, que vai já na sua 9.ª edição.

 

Um sistema wearable de estimulação elétrica funcional que permite a correção do pé pendente (um distúrbio de marcha que se caracteriza pela incapacidade de elevar o pé e os dedos do pé), da autoria de Ana Correia, e uma nova estratégia terapêutica que, através de componentes bioeletrónicos, pretende alcançar o tratamento do glioblastoma, o cancro cerebral mais comum em adultos e crianças, da autoria de Sanaz Asgarifar.

Foram estes os dois vencedores, nas categorias de mestrado e doutoramento, respetivamente, a receber prémios científicos no total de nove mil euros, que poderão servir de impulso para concretizarem as suas ideias.

Ainda na categoria de mestrado, o 2º lugar foi atribuído a Carolina Gouveia, que desenvolveu o sistema Bio-Radar, que permite captar sinais vitais de forma fiável, utilizando apenas ondas de rádio para medir com grande acuidade a distância entre as antenas e a caixa torácica do paciente. O terceiro classificado foi José Dias, que criou uma nova geração de baterias eletroquímicas de ião-lítio, mais eficientes, sustentáveis e com um fator reciclável mais elevado.

Já na categoria de doutoramento, Rodrigo Bruno arrecadou o 2.º lugar, com a novaVM, uma máquina virtual java, que surge em resposta à necessidade atual do processamento de grandes quantidades de dados, BIG DATA, que permite a redução das pausas da aplicação em 68% e a redução do custo do alojamento na cloud em aproximadamente 30%. A ideia de Filipa Ferrada, uma framework de modelação que conceptualiza a noção de “emoção” em redes colaborativas empresariais e sugere uma abordagem sustentada em sistemas dinâmicos permite resolver questões de gestão e decisão, tais como gerir potenciais conflitos, e consequentemente contribuir para redes colaborativas mais sustentáveis, alcançou o 3º lugar desta categoria.

O concurso premeia a investigação de utilidade prática nas áreas das tecnologias da informação e comunicação (TIC), multimédia ou outras ciências conexas, nomeadamente ideias inovadoras que serviram de base a teses de mestrado ou doutoramento.

A cada ano, o Fraunhofer Portugal Challenge tem vindo a premiar ideias de excelência e a incentivar a inovação no âmbito da investigação no meio académico português. Nesta edição foram submetidas 55 candidaturas, oriundas de 24 Instituições de ensino superior diferentes, de todo o país, incluindo Madeira e Açores.

Grau de inovação, exequibilidade técnica e potencial de mercado foram alguns dos critérios tidos em conta aquando da avaliação das ideias.