Dados PRO de três estudos principais de fase 3 com risankizumab demonstram melhoria significativa da qualidade de vida em doentes com psoríase
08/10/2018 15:43:44
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Dados PRO de três estudos principais de fase 3 com risankizumab demonstram melhoria significativa da qualidade de vida em doentes com psoríase

Foram divulgados novos resultados PRO (Patient-Reported Outcomes) de três ensaios principais de fase 3 que avaliam risankizumab, um inibidor da interleucina-23 (IL-23) em desenvolvimento, em doentes adultos com psoríase em placas moderada a grave. Nos três ensaios, os doentes reportaram melhorias na qualidade de vida relacionada com a saúde, a saúde mental e a produtividade laboral, quando tratados com risankizumab. Os dados dos estudos foram apresentados no 27.º Congresso da Academia Europeia de Dermatologia e Venereologia (EADV), em Paris. O anúncio foi feito pela AbbVie.

 

Risankizumab não está aprovado pelas autoridades regulamentares e a sua segurança e eficácia não foram ainda estabelecidas.

À semana 16, um número superior de doentes tratados com risankizumab reportou um valor de 0 na escala de sintomas da psoríase (PSS), o que indica a inexistência de sintomas, numa escala que avalia a dor, a vermelhidão e a comichão, comparativamente com ustecinumab e placebo, no ultIMMa-1 e no ultIMMa-2.Um número superior de doentes tratados com risankizumab continuou a reportar um índice PSS de 0 ao fim de um ano (semana 52), em comparação com ustecinumab.No IMMvent, um número superior de doentes tratados com risankizumab alcançou um índice DLQI de 0 ou 1, indicador de que a psoríase já não afetava a sua qualidade de vida, comparativamente com adalimumab, à semana 16. Os doentes tratados com risankizumab mantiveram os PRO à semana 44, no IMMvent.

Foram, ainda, registadas melhorias na Escala de Ansiedade e Depressão Hospitalar (HADS) e no Questionário de Limitação Laboral (WLQ), que avalia a produtividade no trabalho.

A AbbVie já tinha apresentado resultados positivos do ultIMMa-1, ultIMMa-2 e do IMMvent.Os resultados de eficácia e segurança dos estudos ultIMMa-1 e ultIMMa-2 foram recentemente publicados na The Lancet.

“Os doentes tratados com risankizumab apresentaram melhorias na gravidade dos sintomas de psoríase e nos índices de qualidade de vida, em comparação com as terapêuticas convencionais, tal como demonstrado de forma consistente pelos resultados dos três ensaios de fase 3”, afirmou o Dr. Marek Honczarenko, vice-presidente da área de desenvolvimento em Imunologia da AbbVie.

“Os doentes com psoríase procuram novas opções terapêuticas que os ajudem, não só a alcançar e manter uma pele limpa, mas também a melhorar a sua qualidade de vida. Estes resultados vêm juntar-se ao conjunto crescente de evidências que demonstram que risankizumab tem potencial para se tornar uma importante opção terapêutica para os doentes com psoríase em placas”, acrescenta.

Os PRO constituem um componente importante para compreendermos de que forma os doentes encaram o impacto físico, psicológico e social da doença. Usá-los para avaliar a atividade da doença ajuda os doentes a ter um papel ativo no seu percurso terapêutico, proporcionando informação importante para a equipa clínica assistente.

“A psoríase pode ter impacto em diversos aspetos da vida de um doente, tanto a nível físico, como psicológico”, afirmou o Prof. Doutor Matthias Augustin, diretor do Instituto e Centro Alemão para Investigação de Serviços de Saúde em Dermatologia e Enfermagem (IVDP) do Centro Médico Universitário de Hamburgo.

“A melhoria na qualidade de vida reportada pelos doentes à semana 16 e até um ano mostra o potencial de risankizumab para reduzir o peso da psoríase na vida quotidiana e vem contribuir para o conhecimento que já temos acerca da sua eficácia clínica nos doentes com psoríase”, conclui o especialista.