Infecciologistas reúnem-se no Porto para analisar acompanhamento em ambulatório de quem vive com VIH
10/07/2018 17:49:16
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Infecciologistas reúnem-se no Porto para analisar acompanhamento em ambulatório de quem vive com VIH

Está a chegar o 8.º Encontro Nacional de Clínica de Ambulatório VIH/Hospitais de Dia, com lugar nos dias 12 e 13 de julho, no Centro de Congressos da Alfândega do Porto. A reunião é presidida pelo Prof. Doutor António Sarmento em conjunto com a Dr.ª Rosário Serrão, que, em entrevista, adianta alguns dos assuntos que vão estar em discussão, esperando que “as expectativas dos participantes sejam alcançadas, pois, se assim for, nós ficamos com a sensação de ‘missão cumprida'”.

Para a Dr.ª Rosário Serrão este Encontro irá "permitir reunir infecciologistas de todo o País em torno de uma temática - o acompanhamento em ambulatório, com todas as suas vicissitudes, de quem atualmente vive com VIH", sendo por isso bastante importante para a classe.

Quase uma semana depois de ser divulgado o documento da Direção-Geral da Saúde (DGS) que faz um ponto de situação sobre a infeção VIH/SIDA em Portugal em 2017, a especialista estabelece como objetivo o atingir da "supressão virológica com o tratamento antirretrovírico, quer para a recuperação imunológica do próprio indivíduo, quer em termos de saúde pública contribuirmos para a diminuição da transmissão horizontal e atingirmos a meta 90-90-90 da ONU-SIDA".

De acordo com a especialista, "os adultos jovens de qualquer estrato social, com ou sem formação académica e independente da orientação sexual que tenham, são em Portugal os que mais precisam de ouvir falar, entender e pôr em prática a prevenção". Quanto à evolução da forma como as pessoas infetadas por VIH/SIDA têm sido acolhidas, a Dr.ª Rosário Serrão, considera que "ao longo dos últimos anos temos vindo a assistir a uma diminuição lenta mas gradual do estigma em relação às pessoas que vivem com VIH", quer ao nível dos cuidados de saúde, como nos locais de trabalho e nas residências séniores, por exemplo.

Mais informações disponíveis aqui