Investigadores portugueses participam em projeto internacional para a criação de um modelo de olhos em 3D
06/07/2018 15:34:35
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Investigadores portugueses participam em projeto internacional para a criação de um modelo de olhos em 3D

Um grupo de investigadores do Centro de Estudos de Doenças Crónicas da Nova Medical School (CEDOC) integra uma equipa internacional do projeto europeu ERA-NET. Liderado pelo Dr. Miguel Seabra, o projeto denominado “Biomembrane” está a desenvolver um modelo in vitro tridimensional de olho humano, com capacidade de comercialização, capaz de potenciar e acelerar a investigação de novas estratégias terapêuticas para doentes com degenerescência macular relacionada com a idade.

 

A degenerescência macular relacionada com a idade (DMI) é uma doença degenerativa da área central da retina (mácula) que provoca uma perda da visão central. Esta patologia é apontada como a causa mais comum de perda de visão nas pessoas acima de 55 anos. Embora não cause cegueira total, há uma progressiva falta de visão associada à degenerescência e alterações vasculares da mácula.

A incidência e a prevalência da DMI têm vindo a ser mais significativas com o aumento da esperança média de vida. Em Portugal, dados oficiais da Sociedade Portuguesa de Oftalmologia indicam que vai haver cerca de 355 mil doentes com todas as formas de DMI. Portanto, para além de afetar a qualidade de vida destes pacientes, a patologia assume uma maior importância no âmbito de Saúde Pública, constituindo um fardo económico para a sociedade.

Devido ao facto de não existir ainda uma terapêutica eficaz para a DMI, torna-se urgente clarificar os mecanismos moleculares subjacentes desta doença para que se possam desenvolver terapias mais eficientes.

Evidência científica indica que uma camada específica da retina, denominado epitélio pigmentar da retina (RPE), é responsável pelo início e progressão desta doença. A disfunção e a eventual morte das células que compõem esta camada originam alterações patológicas na interface com a camada vascular e a coroide, que são típicas desta doença.

Face a esta realidade, o projeto “Biomembrane” pretende desenvolver um sistema que recrie as estruturas do olho tridimensionais que permitam a cultura de células diferenciadas. Mais especificamente, um modelo in vitro 3D do epitélio pigmentar da retina, que reproduza a interligação com a rede vascular da coroide e a membrana de Bruchs.

A solução inovadora, que apresenta um enorme potencial na indústria farmacêutica pela sua aplicação em testes farmacêuticos e para avaliação de resposta terapêuticas de cada paciente, está integrado num consórcio internacional com cinco parceiros, sendo dois deles empresas biofarmacêuticas de consumíveis laboratoriais.

A equipa de investigadores do CEDOC é responsável pelo know-how de biologia celular da retina, tanto em condições normais como patológicas, com uma sólida contribuição na área. Atualmente o grupo usa células RPE isoladas de olho de porco e métodos de diferenciação de células RPE humanas a partir de células estaminais.

dd 537c4