Ustecinumab da Janssen reduz taxas de hospitalização e cirurgia em doentes com doença de Crohn moderada a grave em comparação com placebo
11/06/2018 17:26:57
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Ustecinumab da Janssen reduz taxas de hospitalização e cirurgia em doentes com doença de Crohn moderada a grave em comparação com placebo

A Janssen divulgou recentemente uma análise dos dados a dois anos da extensão a longo prazo do estudo IM-UNITI do programa de desenvolvimento de ustecinumab. Estes dados demonstraram que dois regimes posológicos de ustecinumab (90mg administrados a cada 12 [q12w] e 8 [q8w] semanas) diminuíram o risco de hospitalização, e cirurgia relacionadas com a doença de Crohn (DC) e a necessidade de tratamentos alternativos em doentes com DC moderada a grave, quando comparado com placebo. 

“A doença de Crohn pode ter um impacto significativo nos doentes, com a maioria a ter múltiplas recaídas e muitos a experienciar complicações que exigem intervenção. Estes dados a longo prazo do estudo IM-UNITI são particularmente animadores para os clínicos, pois demonstram que o tratamento com ustecinumab reduziu a necessidade de hospitalização, cirurgia ou switch para outro tratamento”, afirma o investigador do estudo Prof. Doutor William Sandborn, chefe do serviço de Gastroenterologia no UC San Diego Health System.

Esta análise incluiu doentes com DC moderada a grave que participaram nos estudos UNITI-1 e UNITI-2, que tiveram resposta clínica após uma dose única intravenosa (IV) de ustecinumab e que estiveram cinco anos sob observação. Os doentes foram aleatorizados para receberem placebo ou ustecinumab 90mg q12w ou q8w subcutâneo (SC). As incidências de hospitalização, cirurgia ou início de uma terapêutica biológica alternativa (antagonista do TNF ou tratamento com anti-integrina) foram avaliadas às 96 semanas. O ensaio IM-UNITI LTE continua a decorrer.

Os doentes que receberam ustecinumab q12w durante os dois anos apresentaram uma probabilidade 52% menor de serem hospitalizados ou necessitarem de cirurgia que os doentes tratados com placebo (ustecinumab q12w HR=0,477 [0,238, 0,957], p=0,033). Os doentes que receberam ustecinumab q8w apresentaram 40% menos probabilidade de ter um desses resultados (ustecinumab q8w HR = 0,601 [0,411, 0,879], p = 0,006).

A hospitalização é responsável por ~50–80% dos custos de cuidados de saúde associados à doença inflamatória intestinal (doença de Crohn e colite ulcerosa), e ~40–60% destes custos podem ser atribuídos à cirurgia. Os doentes com DC podem necessitar de cirurgia devido aos danos causados pela doença no intestino, que se manifestam através de úlceras, cicatrizes, estreitamento do trato gastrointestinal (estenoses) e ligações anormais entre diferentes partes do trato intestinal (fístulas).

Os doentes no grupo q8w foram 53% menos propensos a mudarem para um tratamento biológico alternativo do que o grupo placebo (ustecinumab q8w HR = 0,473 [0,215, 1,040], p = 0,042). O grupo q12w também apresentou uma diminuição do risco de 33%, no entanto, a significância estatística não foi alcançada (ustecinumab q12w HR= 0,667 [0,223, 1,999], p = 0,467).

A Janssen também apresentou uma nova análise dos estudos UNITI-1 e 2 e IM-UNITI que avalia quais as medidas de qualidade de vida que tiveram maior impacto na qualidade de vida relacionada com a saúde após a indução da terapia (abstract #2914355). Este impacto na qualidade de vida foi medido através de um questionário. No início dos ensaios fatores como fadiga, sono, fezes moles e efeitos emocionais e sociais, como sensação de mau estar e impacto nas atividades de lazer, foram vistos como os que tinham um maior impacto negativo na qualidade de vida, com pontuações médias de <3,5. Na semana 8 foram observadas melhorias significativas nessas medidas em doentes que receberam ustecinumab versus placebo.

Os acontecimentos adversos mais comuns (≥ 1/100) reportados em períodos controlados de ensaios clínicos com ustecinumab em adultos com psoríase, artrite psoriática e doença de Crohn, assim como no período de pós-comercialização foram: infeção do trato respiratório superior, artralgia, dor lombar, diarreia, tonturas, fadiga, cefaleia, dor no local da injeção, eritema no local da injeção, mialgia, nasofaringite, náuseas, dor orofaríngea, prurido e vómitos.

A Janssen apresentou estes resultados do estudo de extensão de Fase III IM-UNITI (abstract #2913377) juntamente com 14 outros abstracts na Digestive Disease Week 2018 (DDW 2018), em Washington DC, no dia 2 de junho.