CPC 2018: “Ciclo de Atualização em Cardiologia” garante inclusão de outras especialidades no combate à doença cardiovascular
12/04/2018 12:57:38
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
CPC 2018: “Ciclo de Atualização em Cardiologia” garante inclusão de outras especialidades no combate à doença cardiovascular

Integrado no Congresso Português de Cardiologia 2018 (CPC 2018), o “Ciclo de Atualização em Cardiologia” pretende fazer uma revisão dos principais temas da Medicina Cardiovascular, sendo dirigido aos clínicos que, não sendo cardiologistas de profissão, lidam diariamente com as doenças cardiovasculares. De acordo com o Prof. Doutor Ricardo Fontes-Carvalho, que coordena esta iniciativa, “será feita uma revisão prática do “estado da arte” de todos os grandes temas da Cardiologia atual”.

Neste sentido, “a prevenção cardiovascular, as arritmias cardíacas, a insuficiência cardíaca, a abordagem da doença valvular cardíaca, o tratamento da doença coronária e a abordagem da doença cardiovascular no serviço de urgência” serão as questões revistas neste encontro. Sempre numa perspetiva prática e centrada nas necessidades da prática clínica diária.

O “Ciclo de Atualização em Cardiologia” decorre de 28 a 30 de abril e o programa científico já pode ser conhecido aqui.

Todas as sessões vão partir da apresentação de casos clínicos, tendo por base as guidelines mais recentes e utilizando o sistema de televoter para que toda a audiência possa participar .

Nas palavras do Prof. Doutor Ricardo Fontes-Carvalho, “a Medicina Cardiovascular vive em constante mutação, através do aparecimento de novos métodos e algoritmos de diagnóstico, novos fármacos ou novas intervenções para o tratamento da doença cardiovascular. Mais do que nunca, é necessário um esforço adicional de atualização dos clínicos – cardiologistas e não cardiologistas – que lidam todos os dias com estas patologias.

Por outro lado, a abordagem da doença cardiovascular é cada vez mais um trabalho de equipa, que se deve basear na construção de "equipas do coração", que integrem todos os colegas da Medicina Geral e Familiar, Medicina Interna, Cirurgia Cardíaca, Endocrinologia, Pneumologia e Nefrologia”.