Associação de agonista TLR7 e de anticorpo dirigido ao invólucro do VIH em macacos com infeção por VIS virologicamente suprimidos
10/03/2018 17:39:20
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Associação de agonista TLR7 e de anticorpo dirigido ao invólucro do VIH em macacos com infeção por VIS virologicamente suprimidos

A Gilead Sciences anunciou no passado dia 4 de março os resultados de um estudo pré-clínico realizado em colaboração com investigadores do Beth Israel Deaconess Medical Center que avaliou a combinação de um agonista de receptor toll-like 7 (TLR7) oral experimental, o GS-9620, e um anticorpo experimental amplamente neutralizante (bNAb), o PGT121, como parte de uma estratégia de erradicação do VIH.

Os dados do estudo realizado em macacos rhesus infetados com o vírus da imunodeficiência humana-símio (VIS) em supressão virológica sob terapêutica antirretrovírica (TARV) demonstraram que o tratamento combinado com GS-9620 e PGT121 resultou na manutenção da supressão viral num subconjunto de animais após a interrupção da TARV. Estes dados, discutidos durante uma conferência de imprensa na Conferência de Retrovírus e Infeções Oportunistas (CROI) de 2018, em Boston, suportam a continuação da investigação clínica de estratégias de combinação envolvendo bNAbs e um agonista TLR7, as quais poderão permitir alcançar a supressão viral a longo prazo sem necessidade de TARV diária.

"O VIH tem a capacidade de se esconder em certas células do sistema imunitário, chamadas de reservatório viral latente e que representa uma barreira fundamental para a cura do VIH. Novas terapêuticas para o VIH, que têm como objetivo atingir o reservatório viral, têm o potencial de desempenhar um papel importante na supressão viral a longo prazo sem TARV", disse Dan H. Barouch, MD, PhD, Professor de Medicina da Harvard Medical School e Diretor do Center for Virology and Vaccine Research, Beth Israel Deaconess Medical Center. Dr. Barouch, que liderou o estudo, e é também membro do Ragon Institute of MGH, MIT e Harvard. "Neste estudo pré-clínico de validação de conceito, 45 por cento dos animais que receberam GS-9620 e PGT121 não demonstraram recidiva virológica (elevação da carga viral após período de supressão virológica) após a interrupção da TARV, sugerindo que esta combinação pode atingir o reservatório viral em macacos em supressão viral".

No estudo, 44 macacos rhesus infectados com VIS iniciaram TARV no 7.º dia pós-infeção. Após 96 semanas de TARV contínua, os animais foram divididos em quatro grupos iguais que receberam uma das seguintes intervenções: 5 doses de PGT121 (infusão 10mg/kg a cada duas semanas durante 10 semanas) (n = 11), 10 doses de GS-9620 (0,15 mg / kg por via oral através de sonda, a cada duas semanas durante 20 semanas) (n = 11), ambos PGT121 e GS-9620 (n = 11), ou nenhum (placebo) (n = 11). Os animais continuaram a receber TARV durante todo esse período e por mais 16 semanas. A TARV foi interrompida na semana 130 e a carga viral foi monitorizada no plasma.

Após a descontinuação da TARV, 11 dos 11 animais no grupo de placebo experimentaram recidiva virológica com um tempo mediano até surgimento de carga viral detetável de 21 dias, nove dos 11 animais que receberam apenas PGT121 demonstraram recidiva virológica e 10 dos 11 animais que receberam apenas GS-9620 apresentaram recidiva virológica. Por outro lado, cinco dos 11 animais que receberam a combinação de PGT121 e GS-9620 não demonstraram recidiva virológica durante pelo menos 168 dias, e os outros seis animais no grupo de combinação tiveram recidiva virológica, mas posteriormente voltaram a suprimir o vírus sem TARV.

"Continuamos empenhados em pesquisar e desenvolver estratégias de erradicação do VIH e estamos ainda mais incentivados por estes dados apresentados no CROI, a partir de um modelo animal pré-clínico de infeção pelo VIH, que demonstram que a combinação de GS-9620 e PGT121 pode potencialmente induzir a supressão virológica na ausência de TARV", disse Norbert W. Bishofberger, PhD, Gilead’s Executive Vice President, Research and Development and Chief Scientific Officer. "Atualmente o GS-9620 está num ensaio de Fase 1b de escalonamento de dose em pessoas que vivem com o VIH em supressão virológica sob TARV e avançamos com o GS-9722, um derivado do PGT121, para ensaios de Fase 1".

Os bNAbs PGT121 e GS-9722, bem como o agonista TLR7 GS-9620, são medicamentos experimentais e a sua segurança e eficácia não foram estabelecidas. Não há cura para a infeção por VIH ou para a SIDA.

Esta investigação foi apoiada pela Fundação Bill & Melinda Gates e National Institute of Allergy and Infectious Diseases, parte dos National Institutes of Health.