Mortalidade associada à diabetes prova que os doentes não são bem tratados nos hospitais
14/11/2017 17:57:36
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Mortalidade associada à diabetes prova que os doentes não são bem tratados nos hospitais

Quem o afirma é o Dr. José Manuel Boavida perante os dados que apontam para a morte de 10 a 12 portugueses, por dia, devido à diabetes. No Dia Mundial da doença, que se assinala hoje, 14 de novembro, o presidente da Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal (APDP), marcou presença na iniciativa “Prato Azul - Comer Informado” que decorreu no Mercado de Campo de Ourique, em Lisboa. Em declarações à News Farma, o médico defende que é preciso repensar a prestação de cuidados de Saúde às pessoas com diabetes.

“Não se justifica que a diabetes aumente a mortalidade o que torna estes números difíceis de aceitar”, começa por explicar o presidente da APDP. O Dr. José Manuel Boavida enfatiza a necessidade das pessoas com diabetes serem acompanhadas por equipas multidisciplinares, uma prática que implica uma reforma hospitalar profunda. Relativamente ao combate à mortalidade precoce, o especialista sugere a criação de casas da diabetes.

 

 

Quanto à notícia que dá conta de que o Ministério da Saúde vai alargar o acesso gratuito às bombas de insulina a todas as crianças até aos 18 anos com diabetes tipo 1, o Dr. José Manuel Boavida alerta que é preciso trabalhar para que o atraso que se verificou na atribuição de bombas das crianças até aos 10 anos não se repita.

 

 

A iniciativa  “Prato Azul - Comer Informado” resultou de uma parceria entre a Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal (APDP), Câmara Municipal de Lisboa, Roche Diabetes Care e Associação dos Jovens Diabéticos de Portugal.