SPH junta “o futuro das Sociedades de Hipertensão” para debater o risco cardiovascular global
09/11/2017 16:37:57
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
SPH junta “o futuro das Sociedades de Hipertensão” para debater o risco cardiovascular global

A Sociedade Portuguesa de Hipertensão (SPH) organiza, no dia 18 de novembro, o 1.º Encontro de Risco Cardiovascular e Global de Pequenos Países Europeus. A iniciativa destina-se a jovens investigadores com especial interesse em encontrar parceiros que tenham a capacidade de rejuvenescer algumas estruturas de maior dimensão, como a Sociedade Europeia de Hipertensão (SEH).

Na reunião estarão presentes jovens investigadores da Bélgica, Holanda, Áustria, Suíça e Hungria, cujas apresentações serão moderadas por especialistas seniores. Portugal estará representado por dois jovens investigadores: a Dr.ª Joana Silva Monteiro, especialista em Medicina Geral e Familiar, da Maia, vai apresentar um trabalho sobre Consulta Motivacional e o Dr. André Simões, especialista em Medicina Interna do Hospital de Franca de Xira, vai apresentar o trabalho que tem desenvolvido na Consulta de Hipertensão Arterial nas áreas da logística e organizacional.

Citado em comunicado de imprensa, o Dr. Carvalho Rodrigues revela que os jovens presentes no evento científico “são o futuro das Sociedades de Hipertensão”. Conforme revela o presidente da Sociedade “nos últimos anos a SPH, em conjunto com a Sociedade Húngara de Hipertensão ter vindo a trabalhar no sentido de unir os pequenos países da SEH, numa tentativa de ver o que estão a fazer, perceber quais as suas preocupações e tentar ganhar uma voz mais forte.”

“A Sociedade Portuguesa de Hipertensão está focada em transmitir à população a importância de cumprir escrupulosamente a medicação diária e esta reunião para além do que foi mencionado, pretende contribuir para a importância de conseguir controlar a Hipertensão Arterial logo nos cuidados primários, evitando assim um evento cardiovascular”, conclui o Dr. Carvalho Rodrigues.