Salas de educação virtual Dr. Paul Janssen: balanço de um ano de atividade
Salas de educação virtual Dr. Paul Janssen: balanço de um ano de atividade

As Salas de Educação Virtual Dr. Paul Janssen assinalaram hoje o primeiro aniversário numa sessão conjunta que contou com a participação do Dr. Manuel Delgado, secretário de Estado da Saúde, Dr.ª Filipa Mota e Costa, diretora-geral da Janssen Portugal e os diretores das faculdades de Medicina das universidades de Lisboa, Porto, Coimbra e Açores, estes últimos presentes virtualmente por teleconferência.

O projeto pioneiro em Portugal resulta de uma parceria das quatro instituições de ensino com a Janssen e tem permitido ligar as quatro faculdades entre si e a outras academias e investigadores internacionais, através de salas equipadas com tecnologia de ponta na área da telepresença.

“A promoção do conhecimento científico em medicina através de uma rede internacional de investigadores e académicos que possa contribuir para a partilha de boas práticas é um desígnio notável que impactará certamente na qualidade dos cuidados prestados e na adequação dos recursos utilizados”, foi desta forma que o secretário de Estado da Saúde avaliou o primeiro ano das salas de educação virtual. Um balanço positivo, partilhado pelos diretores das quatro faculdades presentes na sessão.

 

QB7A5206 284d8

 

Durante este primeiro ano, foram várias as aulas que passaram a ter lugar nestas salas equipadas com tecnologia de ponta na área da telepresença. A utilização das Salas de Educação Virtual Dr. Paul Janssen ultrapassou as 300 horas, reunindo mais de 500 participantes. Estes resultados são “fruto da incansável colaboração entre as quatro faculdades”, referiu a diretora-geral da Janssen Portugal. A Dr.ª Filipa Mota e Costa realçou ainda a importância desta parceria, que permite, por um lado, potenciar o networking científico e, por outro lado, implementar um programa de educação médica com sessões mensais de ligação a centros científicos de excelência nos Estados Unidos da América e na Europa. Tuberculose, tumores hematológicos, bioengenharia, malária, nanotecnologia, patient centricity foram alguns dos temas abordados nestas sessões, em que participaram investigadores, profissionais de saúde, professores e estudantes de várias universidades.

 

QB7A5139 39aa1

 

Aproximação da comunidade portuguesa às redes internacionais

Nas palavras do Prof. Doutor Fausto Pinto as salas possibilitam “uma experiência intuitiva e realista”, que tem permitido “a aproximação da academia médica nacional à comunidade científica internacional”. O diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa destacou também os programas de educação de “vanguarda” que, permitindo uma ligação entre as várias instituições internacionais, reforçam a educação médica por “e-learning”.

“A Faculdade de Medicina de Lisboa já iniciou um projeto inovador que consiste na transmissão de cirurgias do bloco operatório maximizando assim as potencialidades das salas de educação virtual”, adiantou o diretor da faculdade.

Em suma, “um projeto de sucesso” que permite poupar tempo e dinheiro em deslocações. A mesma opinião foi partilhada pela Dr.ª Patrícia Garcia, presidente da Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade dos Açores. A professora destacou “o papel significativo das salas Paul Janssen na partilha de conhecimento e na qualidade do ensino médico da Universidade dos Açores”, fisicamente distanciada de outras instituições. Neste primeiro ano de projeto, a sala dos Açores contabilizou mais de 100 horas de utilização, distribuídas por 42 sessões.

 

Estabelecimento de parcerias com os PALOP

Um aspeto evidenciado por várias personalidades presentes na celebração do primeiro aniversário foi a importância destas salas para o estabelecimento de parcerias com os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP).

Na opinião da Prof.ª Doutora Maria Amélia Ferreira, num contexto de otimização dos recursos, a promoção das redes de conhecimento depende destas interfaces. A diretora da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto considera crucial este campo de interação com os PALOP e revelou que a Faculdade do Porto vai realizar, em conjunto com Cabo Verde, “o primeiro mestrado de educação académica e clinica, otimizando a equipa docente e formando os formadores de cabo verde”. Um projeto muito facilitado pela tecnologia das salas Janssen.

A professora terminou citando Paul Janssen. “Não há tempo a perder, temos de ser incansáveis, os doentes estão à espera de respostas que transformem as suas vidas e hoje as novas tecnologias ao serviço da inovação médica permitem que aproveitemos melhor o tempo porque as respostas transformadoras de vida dependem de todos nós.”

 

QB7A5119 dc574

 

Perspetivar o futuro para maximizar as potencialidades da Salas Janssen

Duarte Nuno Vieira, diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra fez um balanço positivo do projeto, “que excedeu mesmo as expectativas” – a sala de Coimbra foi das mais utilizadas neste primeiro ano – e lançou desafios ao governo e à farmacêutica Janssen.

De olhos postos no futuro, o Dr. Duarte Nuno Vieira aproveitou a presença do secretário de estado na saúde para sugeri algumas alterações legislativas baseadas nas potencialidades das novas tecnologias, nomeadamente alterações que permitam que os júris académicos em que ainda é obrigatória a participação presencial dos membros possam utilizar este tipo de recursos, bem como alterações que permitam a realização de provas académicas de mestrado e doutoramento com apoio destes novos mecanismos.

À Janssen, o diretor da Faculdade de Medicina de Coimbra deixou outro desafio: “perspetivar a colocação destas salas nas secções regionais da ordem dos médicos e nas faculdades de língua oficial portuguesa que têm ensino médico.”

O balanço do primeiro ano das Salas de Educação Virtual Dr. Paul Janssen foi considerado positivo por todas as entidades presentes na sessão, nomeadamente pela redução de custos de deslocação e estadia que permite e pelo enorme potencial de ligação e colaboração entre as comunidades científicas nacional e internacional.

O projeto resulta do investimento de um milhão de euros da farmacêutica e engloba protocolos de cinco anos.