Migrantes e doenças infeciosas em debate no 4.º Congresso de Medicina Tropical
18/04/2017 17:43:53
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Migrantes e doenças infeciosas em debate no 4.º Congresso de Medicina Tropical

Começa amanhã, 19 de abril, o 4.º Congresso Nacional de Medicina Tropical (CNMT), que decorre, até ao dia 21, em paralelo com o 1.º Encontro Lusófono de SIDA, Tuberculose e Doenças Oportunistas. Organizado pelo Instituto de Higiene e Medicina Tropical (IHMT) da Universidade Nova de Lisboa, o encontro vai incluir um painel intitulado “Migrantes”.

A Prof.ª Doutora Ana Requena Méndez, do Instituto de Salud Global Barcelona (ISGlobal), vai apresentar a experiência de Barcelona numa palestra sobre “Migração e Doenças Infeciosas”. Segundo a especialista, os hábitos culturais não influenciam a disseminação de doenças, mas outros fatores, como as condições em que muitos migrantes são forçados a viver e que podem estar relacionados com a transmissão de certas doenças, como a tuberculose.

Na sua comunicação, a Prof.ª Doutora Ana Requena Méndez visa alertar que as melhores práticas em matéria de prestação de cuidados aos migrantes vulneráveis e aos refugiados devem ser uma prioridade para os decisores políticos. Defende ainda que a promoção da Saúde, o rastreio e a gestão de doenças crónicas em migrantes vulneráveis e refugiados devem ser facilitadas através de serviços integrados nos serviços primários.

Nas crianças migrantes, a principal importância das doenças infeciosas está relacionada com a grande mobilidade das pessoas por zonas endémicas de algumas patologias e pela não existência ou o não cumprimento de um plano de vacinação abrangente por essas populações. Na comunicação subordinada ao tema “Migrantes, doenças infeciosas e as crianças”, a Dr.ª Ana Jorge, presidente do Conselho do IHMT e pediatra, realça que “a variabilidade dos planos de vacinação dos países e as diferenças de acesso têm uma enorme importância.” No entanto, Portugal tem um sistema em que o acesso aos cuidados de Saúde está facilitado, mas “nem sempre é do conhecimento de quem precisa”, reforça a médica.

Soluções efetivas baseadas na evidência

“Estas problemáticas e desafios atuais, que afetam hoje a Saúde global, exigem um conhecimento aprofundado dos principais determinantes de Saúde e fatores de risco para a Saúde dos migrantes e seus impactos nos países de acolhimento, na busca de soluções efetivas baseadas na evidência,” refere o Prof. Doutor Miguel Viveiros, presidente do Congresso. “Este é um dos objetivos deste Congresso e da missão técnica, científica e pedagógica do Instituto de Higiene e Medicina Tropical e do seu Centro de Investigação sobre Saúde Global e Medicina Tropical (GHTM – Global Health and Tropical Medicine)”, reforça o especialista.

O CNMT é um evento bienal, que reúne cientistas e especialistas dos estados-membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), da Europa e de todo o mundo, sendo o mais importante Congresso sobre Saúde global e Medicina Tropical em Portugal.

O principal objetivo da edição de 2017 é estabelecer uma plataforma para debater temas e doenças cosmopolitas com especificidades próprias em países tropicais, nomeadamente a SIDA, a tuberculose e as doenças oportunistas.

Para mais informações, consulte o site oficial do evento.