Pela primeira vez, foi desenvolvida uma molécula quase 100% natural capaz de substituir o estireno, derivada do petróleo que está na base de materiais usados nas mais diversas indústrias, como naval, automóvel, embalagens e vestuário, mas que apresenta elevada toxicidade. A investigação que conduziu à nova molécula “verde”, desenvolvida por uma equipa do Departamento de Engenharia Química da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), é o tema de capa da revista científica Green Chemistry, uma das mais prestigiadas revistas da área da química verde.

 

Publicado em Notícias