Uma equipa internacional liderada pelos investigadores Sandra Tenreiro e Tiago Outeiro, do Centro de Estudos de Doenças Crónicas (CEDOC) da NOVA Medical School (NMS), descobriu um mecanismo pelo qual o principal componente do suplemento alimentar spirulina, denominado ficocianina, aumenta a viabilidade das células, atrasando a sua degeneração no modelo da doença de Parkinson.

Publicado em Notícias