Profissionais discutem saúde no masculino para maior prevenção de doenças do foro urológico
08/02/2019 16:16:56
Dr. Ricardo Leão, coordenador do encontro “Os Homens ‘não’ vão ao Médico”
Partilhar por emailShare on Google+Partilhar no facebookPartilhar no linkedinPartilhar no twitter
Profissionais discutem saúde no masculino para maior prevenção de doenças do foro urológico

Dirigido a profissionais de saúde das especialidades de Urologia, Medicina Interna e Medicina Geral e Familiar (MGF), o encontro “Os Homens ‘não’ vão ao Médico” reuniu, no passado dia 25 de janeiro, vários especialistas em Coimbra em torno da temática da saúde masculina. Uma organização da Academia CUF que pretendeu, entre outros objetivos, alertar para a necessidade de diagnósticos precoces em várias áreas da Urologia, e outras, e para a importância da prevenção da doença. O Dr. Ricardo Leão, coordenador do evento, faz um balanço deste que foi o primeiro evento científico do Hospital CUF Coimbra.

News Farma (NF) | Qual a importância deste ter sido o primeiro evento científico do Hospital CUF Coimbra?

Dr. Ricardo Leão (RL) | A CUF tem também por missão fazer e promover a discussão científica (clínica) nos locais onde está inserida. Em Coimbra isso não foge à regra. Deste modo, este evento enquadra-se naquilo que são os pressupostos CUF para todo o país - envolver os profissionais de saúde, promover a discussão científica e com isto melhorar aquilo que são os cuidados de saúde prestados. Este encontro não teve unicamente a participação de profissionais da CUF, o que é algo que eu destaco com muito agrado. A participação de vários urologistas e colegas de MGF de outras unidades de saúde é algo que saliento com muita satisfação pessoal e também profissional.

Coimbra é, como sabemos, uma cidade de grande tradição em Medicina com uma escola médica conhecida nacional e internacionalmente. Neste contexto, o Hospital CUF Coimbra enquadra-se em Coimbra como uma nova unidade de saúde, com objetivos de promover e oferecer cuidados de saúde diferenciados e envolvendo todos os profissionais de saúde que trabalham na região. Este foi efetivamente o primeiro evento científico do Hospital CUF Coimbra e, enche-nos de orgulho ter sido a Urologia a iniciar este caminho - que será por certo longo e feito de muitas e valorosas reuniões. A Urologia da CUF Coimbra está empenhada em perpetuar este e outros eventos, alguns já planeados para o ano de 2019, sempre na mesma perspetiva de promover a discussão clínica com o objetivo de melhorar os cuidados de saúde prestados à nossa população.

NF | Porquê a temática da saúde masculina? Os homens são doentes mais difíceis?

RL | A saúde masculina é importante e necessita de ser promovida pelos agentes de saúde. É nosso objetivo alertar, por exemplo, para a necessidade de diagnósticos precoces em várias áreas da Urologia (e outras) que podem resultar em ganho significativo em qualidade de vida para os homens. Os homens, ao contrário das mulheres, só voltam ao médico, após idade pediátrica, em situações de doença aguda e raramente por rotina. Os homens ainda não adotaram uma postura de promoção de saúde visando a prevenção da doença. Por isso, assistimos a uma mortalidade mais precoce, o diagnóstico de doenças de maior gravidade e maiores taxas de hospitalização no sexo masculino.

É muito importante fazer entender aos homens, mas também os profissionais de saúde que a adoção de atitudes de promovam a saúde do homem são cruciais e resultarão numa melhor saúde e consequentemente em melhor qualidade vida. Estas atitudes devem visar a prevenção de doenças graves e letais, mas também doenças crónicas que pelo seu carácter influenciam a sua qualidade de vida dos homens.

NF | Que balanço faz da iniciativa?

RL | Faço um balanço bastante positivo. O número de participantes excedeu as iniciais expectativas, mas destaco sobretudo o interesse demonstrado pelos diversos profissionais de saúde nos temas com importante discussão e partilha de opiniões. Neste evento estiveram presentes urologistas, ginecologistas, psicólogos, enfermeiros e especialistas em MGF e todos contribuíram com a sua valorosa participação, acrescentando sempre a perspetiva inerente à especificidade do seu expertise - o que é crucial na medicina que praticamos hoje em dia.

NF | Quais eram objetivos? Considera que foram atingidos?

RL | Considero que os objetivos deste evento foram amplamente atingidos, o que nos traz a responsabilidade de organizar novas sessões nos próximos anos. Este evento teve por objetivo essencial discutir aspetos da saúde do homem que devem merecer uma maior atenção por parte dos profissionais de saúde, por forma a adotar medidas que resultem em melhores cuidados. Os outros objetivos, também atingidos, dizem respeito à necessidade de reuniões periódicas entre Urologia e MGF (e outras especialidades) e à partilha de experiências, de opiniões e de aspetos técnico-científicos.

Vivemos numa época de grande inovação na Medicina, que nos permite fazer uma Medicina diferente da que fazíamos há um/dois anos atrás (por exemplo, usar ressonância magnética para ajuda no diagnóstico do cancro da próstata), mas isso também cria outra exigência e outro compromisso dos profissionais de saúde para com os seus doentes. Estas reuniões são cruciais para a partilha de conhecimento, aspeto que foi muito valorizado por todos os presentes.